Bandeira Amarela vigora a partir de hoje

Aneel sinaliza para Bandeira Verde no mês de abril

Aneel e as tarifas

A partir de hoje, os consumidores vão  pagar a energia elétrica pela bandeira amarela, com custo de R$ 1,50 a cada 100 kWh (quilowatt-hora) consumidos. De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), apesar das melhorias nas condições de geração, o sinal para o consumo ainda é de alerta e os consumidores devem fazer uso eficiente de energia elétrica e combater os desperdícios. Para abril, a bandeira passará de amarela para verde – sem custo aos consumidores.

A evolução positiva do período úmido de 2016, que recompõe os reservatórios das hidrelétricas, aliada a aumento de energia disponível, redução de demanda e adição de novas usinas ao sistema elétrico brasileiro, possibilitou a mudança das bandeiras tarifárias nos últimos meses – atestando que o sistema, criado pela ANEEL, sinaliza com precisão o custo real da energia gerada, possibilitando aos consumidores o uso consciente da energia elétrica.

O funcionamento é simples: as cores verde, amarela ou vermelha indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração de eletricidade. Com as bandeiras, a conta de luz fica mais transparente e o consumidor tem a melhor informação para usar a energia elétrica de forma mais consciente.

A bandeira tarifária não é um custo extra na conta de luz: é uma forma diferente de apresentar um valor que já está na conta de energia, mas que geralmente passa despercebido. As bandeiras sinalizam, mês a mês, o custo de geração da energia elétrica que será cobrada dos consumidores. Não existe, portanto, um novo custo, mas um sinal de preço que sinaliza para o consumidor o custo real da geração no momento em que ele está consumindo a energia, dando a oportunidade de adaptar seu consumo, se assim desejar.

As bandeiras tarifárias foram criadas pela agência  reguladora com o objetivo de sinalizar aos consumidores os custos reais da geração de energia elétrica.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia