São Paulo tem aumento de 113% nas tarifas de energia em 13 meses, mostra Abesco

Novas tarifas da AES Eletropaulo passam a vigorar no próximo sábado

Energia e os negócios

Os dados da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação de Energia (ABESCO) revelam que com os novos aumentos aprovados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na última terça-feira (30) na tarifa da AES Eletropaulo – de 17,04% para consumidores de baixa tensão (residências) e de 11,73% para os consumidores de alta tensão (indústrias) – a conta de luz das residências mais do que dobrou em apenas 13 meses (113%) e as indústrias pagarão em média 95% a mais pela energia.

“Esse é um momento decisivo para o setor energético brasileiro, apenas em 2015 foram quatro reajustes: em janeiro com a revisão do reajuste tarifário e com a implementação da bandeira tarifária, que afetou todo o País, em março com o aumento “emergencial” da mesma bandeira tarifária e agora por conta da revisão tarifária anual. É inaceitável que o consumidor tenha um custo deste para um país que deveria ter abundância de energia. O Brasil tem um potencial de economia de R$ 13,6 bilhões aos consumidores finais (indústria, comércio, serviço e residencial) a partir da implantação de projetos de eficiência energética e mesmo assim o desperdício alcança a marca 52 mil Gigawatts/hora ou 60% de tudo que é gerado na hidrelétrica de Itaipú”, explica o presidente da ABESCO, Rodrigo Aguiar.

O novo aumento da Eletropaulo passa a valer a partir do dia 4 de julho de afetará 6,7 milhões de unidades consumidoras na região metropolitana da capital paulista.

 

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia