Bovespa fecha em queda e IEE acompanha em -0,63%

Volume financeiro ficou em R$5,1 bilhões

Recuando

A Bolsa de Valores manteve a alta durante grande parte do pregão, mas ao final acabou recuando com a cautela dos investidores. Apesar da alta, o volume financeiro, pelo segundo dia consecutivo, ficou abaixo da média diária de R$ 7 bilhões.

Ao final, o Ibovespa recuou 0,17% aos 53.772 pontos e o IEE perdendo 0,63% aos 30.535 pontos. O giro financeiro foi de R$5,1 bilhões.

“Os destaques para baixo ficaram com a Petrobras, Vale e elétricas. Há uma preocupação do mercado com o cenário atual, muita instabilidade e nem o bom humor dos demais contaminou a Bovespa pelo segundo dia”, pontuou o superintendente da corretora Souza Barros, Ricardo Pinto Nogueira.

Segundo Nogueira, a decisão da Petrobras em reduzir os investimentos, principalmente com o corte de terceirizados, a Braskem com a indefinição na Chesf e também a Vale puxando o índice para baixo. “A Braskem acabou se recuperando, mas a Petrobras não conseguiu.”

A Braskem ganhou força com a edição da Medida Provisória (MP) renovando os contratos de energia da Chesf para a região Nordeste e que tinha prazo de vencimento no dia 30 próximo.

A Braskem, que recebe energia da Chesf, bem como a Vale, Dow, Gerdau, Paranapanema, Ferbasa e Mineração Caraíba, ameaçou paralisar as atividades caso os contratos para o fornecimento de energia não fossem cumpridos. As demais mantiveram a mesma posição.

O cenário de retração no consumo de energia tem pesado no comportamento dos papéis das elétricas e embalados pela Eletrobras.

Entre as altas no IEE estavam as ações da Alupar UNT N2 (1,75% a R$16,28); Copel PNB N1 (0,12% a R$34,04), Energias BR ON(1,14% a R$11,57), Tractebel ON (0,15% a R$34,20); e Trans Paulista PN (0,77% a R$41,97).

Na contramão no IEE estavam as ações da Coelce PNB N1 (-0,26% a R$41,99); CPFL Enegria ON (-0,66% a R$19,43); Eletrobras PNB (-1,41% a R$9,11); e AES Tietê PN (-0,79% a R$17,69).

Carteira teórica

Na carteira teórica do Índice Bovespa que passa a vigorar a partir de 05 de maio de 2015 a 4 de setembro de 2015 estão: Itauunibanco PN (11,144%), Bradesco PN (8,440%), Ambev S/A ON (7,378%), Petrobras PN (5,687%) e Petrobras ON (4,166%).

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia