Bovespa oscila com inquérito de Lula e IEE fica em 0,48%

Ex-presidente é investigado por supostamente ter se utilizado de sua influência no BNDES, depois do fim do mandato

Surpresa nos mercados

A Bolsa de Valores de São Paulo, depois de uma sessão marcada pela volatilidade,  fechou em alta nesta quinta-feira, com os investidores pegando carona nos demais globais, que mantiveram rali, depois que a Grécia encontrou uma saída fortalecida para sua crise. Por outro lado, o humor azedou com a decisão do Ministério Público Federal (MPF) em abrir inquérito para investigar se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por tráfico de influência.

O Ibovespa ficou em alta de 0,32% aos 53.069 pontos e o IEE ficou em alta de 0,48% aos 31.009 pontos. O giro financeiro ficou em R$3,9 bilhões.

“O mercado doméstico segue em busca de boas notícias e pegando carona nos demais, como ocorreu hoje. A Grécia decidiu parte de seu problema, a presidente do Fed falou o que todo mundo sabe, os juros serão elevados mesmo. Agora, por aqui, sem dúvida que o mercado segue atento para o rumo político, como hoje por exemplo, com o MPF abrindo o inquérito para investigar o Lula. Diante disso, quem vai partir para o risco? É só analisar o volume financeiro dos últimos meses”, disse o diretor da Máxima Corretora, José Costa Gonçalves.

Nesta tarde, o Ministério Público Federal (MPF) abriu um inquérito para investigar se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva cometeu crime de tráfico de influência para favorecer uma das construtoras investigadas na Operação Lava Jato.

Lula é investigado por supostamente ter se utilizado de sua influência no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), após o término de seu mandato, para que o mesmo concedesse crédito à construtora Odebrecht para o financiamento de obras em outros países latino-americanos e africanos  nos quais a companhia tem atuação. Segundo a Procuradoria, após deixar a presidência, em janeiro de 2011, Lula fez viagens a Panamá, Venezuela, República Dominicana e Gana custeadas pela construtora.

As indagações preliminares do MPF começaram em abril e se concretizaram na semana passada com a abertura de um inquérito. O caso foi revelado em maio pela revista “Época”, segundo a qual a Odebrecht recebeu do BNDES créditos de cerca de US$ 4,1 milhões para obras em República Dominicana, Venezuela, Cuba e Gana.

O Instituto Lula, que representa o ex-presidente, afirmou hoje ter recebido “com surpresa” a notícia da abertura do inquérito e informou que entregou todas as informações solicitadas pela procuradora Mirella de Carvalho Aguiar e alegou que a funcionária teve “pouco tempo” para analisar o material.

Em comunicado, o Instituto Lula manifestou que “terá a oportunidade de comprovar a legalidade e a lisura” de todas as suas atividades.

Quando o caso veio à tona, em maio, a Odebrecht negou que Lula tivesse trabalhado como seu consultor, mas admitiu que custeou viagens do ex-presidente para República Dominicana e Gana em 2013 para que desse palestras sobre “as potencialidades do Brasil e de suas empresas”.

As elétricas foram embaladas pela Eletrobras.

Entre as altas no IEE estavam as ações da Alupar N2 (2,58% a R$17,10); Coelce PNA (1,62% a R$40,80), Eletropaulo PN (1,42% a R$17,85), Equatorial ON (0,43% a R$37,40); e Energias BR ON (2,15% a R$12,35).

Na contramão no IEE estavam as ações da Cemig N1 (-1,26% a R$10,96); CPFL Energia ON (-1,82% a R$19,45); Eletrobras PNB (-1,68% a R$8,76); e Taesa N2 (-0,19% a R$21,11).

Carteira teórica

Na carteira teórica do Índice Bovespa que passa a vigorar a partir de 05 de maio de 2015 a 4 de setembro de 2015 estão: Itauunibanco PN (11,144%), Bradesco PN (8,440%), Ambev S/A ON (7,378%), Petrobras PN (5,687%) e Petrobras ON (4,166).

Informações com Ag. EFE

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia