CEMIG: Desligamento das térmicas vai beneficiar empresas e o consumidor

"Reajuste tarifário do que seria com o uso pleno das térmicas", diz presidente da Cemig

Geração e transmissão

As usinas termelétricas mais onerosas, porque usam matéria-prima mais cara ou estão obsoletas, serão desligadas a partir de zero hora do próximo sábado, dia 8 de agosto. Essa decisão se deu com a melhora no nível de armazenamentos dos reservatórios no mês passado, que para o setor elétrico e para o consumidor de energia é uma boa notícia. O anúncio do desligamento das térmicas mais caras foi feito nesta quarta-feira (5) pelo ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga.

“Com isso, todos saem ganhando. As usinas vão poder voltar a operar normalmente, devido à recuperação dos reservatórios. A distribuidora vai ter um alívio no seu caixa, com a interrupção do uso das térmicas mais caras. E o consumidor vai perceber isso na fatura, pois o valor repassado com o custo da energia será menor no próximo reajuste tarifário do que seria com o uso pleno das térmicas, mesmo que não haja impacto imediato”, explica o presidente da Cemig, Mauro Borges Lemos.
 
Reservatórios

O nível de armazenamento dos reservatórios da região Sudeste/Centro-Oeste encerrou o mês passado com 37,4%, registrando um crescimento em relação ao mês anterior, algo incomum para esta época do ano. Em relação ao ano passado, os reservatórios fecharam julho com um índice superior ao do mesmo mês de 2014, que foi de 34,4%.

Em Minas Gerais, a Hidrelétrica Três Marias, no Rio São Francisco, encerrou julho com 32% do volume de armazenamento, enquanto a Hidrelétrica São Simão, no Triângulo, fechou o mês com 36,2%.

No país, a previsão é de que o nível de armazenamento das maiores hidrelétrica do país, de acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), chegue ao menor patamar de 30,8% até o final período seco, permitindo sua recuperação com a chegada das chuvas.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia