Iboevspa fecha em queda e IEE recua 0,9%

Volume financeiro ficou em R$9 bilhões

Previdência sem saída

O mau humor predominou no mercado de ações doméstico nesta quinta-feira, com a falta de clareza nos diálogos entre o governo e os partidos políticos sobre a reforma da Previdência. Do lado positivo, os preços do petróleo ganharam força nas negociações dos mercados internacionais, bem como os preços dos metais e da celulose.

Ao final, o Ibovespa devolveu 1,07% aos 72.487 pontos. O volume financeiro ficou em R$9 bilhões. O IEE ficou em queda de 0,90%.

“Esse comportamento de foi influenciado novamente pelas incertezas que cercam a reforma da Previdência. Será preciso que alguma coisa ainda seja definida esse ano, principalmente, com as agências de classificação de riscos atentas para o cenário político brasileiro, apesar dos números da economia dando sinais de aquecimento”, destacou o gerente de Bovespa da HCommcor, Ari Santos.

As ações com ganhos
Embraer ON, alta de 1,51%; Gerdau PN, alta de 1,26%; Telef. Brasil ON, alta de 0,91%; Smiles ON, alta de 0,80%; e BBSeguridade ON, alta de 1,08%.

As ações com perdas
Kroton ON, queda de 4,07%; Brasil ON, queda de 3,87%; WEG ON, queda de 3,31%; Natura ON, queda de 2,19%; e Ecorodovias ON, queda de 2,94%.

A Petrobras ON ficou em queda de 0,88% e a PN, queda de 1,68%.

A Vale ON ficou em queda de 1,17%.

Carteira Teórica

A Carteira Teórica, que passou a vigorar de 04 de setembro a 28 de dezembro no Ibovespa, mostra os cinco ativos com maior peso no índice: Itauunibanco PN (10,846%), Bradesco PN (8,485%), Ambev ON (7,039%), Petrobras PN (4,883%) e Vale ON (9,040%).

Commodities

O petróleo referência, Brent, ficou em alta na bolsa de Futuros de Londres em 0,19% aos US$62,85 o barril.

O petróleo WTI segue em alta de 1,27%, cotado a US$ 56,66 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, fechou em alta 3,67% a US$72,68 a tonelada seca e com 62% de pureza.

A celulose fibra longa negociada fechou US$972,00, alta de 1,30%, a tonelada na sessão anterior. A celulose fibra curta fechou em US$955,47 e alta de 0,26%, a to

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia