Ibovespa fecha em queda e elétricas pegam carona

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, fechou em queda de 2,56% a US$60,15 a tonelada seca e com 62% de pureza

Arquivo: UI

A bolsa de valores de São Paulo fechou em queda nesta segunda-feira. Os investidores ajustaram, em dia de agendas fracas, com as empresas apresentando os balanços corporativos na reta final.

A eleição na França, com a vitória de Emmanuel Macron, também mereceu ligeira atenção. Porém, ainda do lado político interno, a cautela segue para Brasília e com destaque para os acertos no texto da Reforma da Previdência que entra na segunda etapa nesta terça-feira (09).

O preço do petróleo apresentou ligeira recuperação no final das negociações em Wall Street. Papéis das elétricas recuaram, com destaque para Eletrobras.

Os números da balança comercial da China despertaram a cautela sobre o desenvolvimento da segunda maior economia do mundo.

Ao final, o Ibovespa ficou em queda de 0,28% aos 65.526 pontos. O IEEX ficou em queda de 0,22%. O giro financeiro seguia para R$ 6 bilhões.

As ações com ganhos

BB Seguridade ON, alta de 2,37%; Natura ON, alta de 1,54%; Qualicorp ON, alta de 2,38%; Cosan ON, alta de 2,92%; e Localiza ON, alta de 1,71%.

As ações com perdas

Eletrobras PNB, queda de 4,46%; Eletrobras ON, queda de 3,21%; Estacio Participações ON, queda de 2,53%; Copel PNB, queda de 3,95%; e Siderúrgica Nacional ON, queda de 3,24%.

A Vale ON, queda de 0,08% e a PN, queda de 0,80%.

A Petrobras ON estava em queda de 0,61% e a PN, queda de 0,91%.

Carteira Teórica

A Carteira Teórica, que passa a vigorar de 02 de maio a 01 de setembro no Ibovespa, mostra os cinco ativos com maior peso no índice: Itauunibanco PN (11,453%), Bradesco PN (8,244%), Ambev S/A ON (7,299%), Petrobras PN (5,331%) e Vale PNA (4,727%).

Commodities

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, fechou em queda de 2,56% a US$60,15 a tonelada seca e com 62% de pureza.

O contrato futuro do petróleo tipo WTI, para entrega em junho, é negociado a US$ 46,48 o barril, alta de 0,56%.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia