Ibovespa fecha em queda e IEEX acompanha em -2,1%

O giro financeiro ficou em R$12,2 bilhões

Flickr Creative Commons

A bolsa de valores de São Paulo fechou em queda nesta segunda-feira, com a cautela dos investidores para o clima político tenso no Brasil gerado pelas delações dos donos da JBS. A sessão também foi marcada pela realização de lucros com os papéis de peso no índice, com Petrobras e Vale.

Ao final, o Ibovespa ficou em queda de 1,54% aos 61.673 pontos. O IEEX ficou em queda de 2,19%. O giro financeiro ficou em R$12,2 bilhões.

Conforme analistas de mercado, a cautela de hoje se dá com as medidas que serão adotadas pelos órgãos reguladores nas empresas J&F Participações(Holding controladora das empresas JBS) nos próximos dias. Além disso, as expectativas para a permanência ou não do presidente Michele Temer no cargo também estão deixando os investidores mais temerosos.

Hoje, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em conferência com investidores internacionais garantiu que o País vai seguir, mas não descartou o atraso nas votações importantes, principalmente a da Reforma da Previdência.

Mesmo com o clima grave no País, o presidente Temer despachou normalmente e segue firme nas afirmações de não renunciar.

As ações com ganhos
Fibria ON, alta de 6,99%; BRF ON, alta de 6,06%; Suzano Papel PNA, alta de 6,24%; Embraer ON, alta de 7,00%; Klabin UNT, alta de 3,13%.

As ações com perdas
JBS ON, queda de 31,34%; Rumo ON, queda de 10,94%; Cyrela Realt ON, queda de 6,23%; Ecorodovias ON, queda de 6,06%; BRM Malls ON, queda de 3,95%.

A Vale ON, alta de 2,46% e a PN, alta de 2,76%.
A Petrobras ON ficou em queda de 0,69% e a PN, queda de 1,62%.

Nesta segunda-feira, a agência de classificação de risco Moody’s rebaixou e colocou em revisão os ratings da empresa JBS. O grupo brasileiro, maior companhia de carne bovina do mundo, é um dos protagonistas da crise política no país desde a semana passada, quando vieram à tona os detalhes de delação premiada feita por seus fundadores, os irmãos Joesley e Wesley Batista.

Foram rebaixados em um nível, e colocados sob análise para novo rebaixamento, os ratings da JBS S.A e da sua subsidiária, a JBS USA. “A ação se segue à confirmação pela JBS S.A. de que sete executivos da companhia e sua controladora, a J&F investimentos, entraram em um acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República devido a alegações de corrupção”, afirma a Moody’s em comunicado.

Carteira Teórica

A Carteira Teórica, que passou a vigorar de 02 de maio a 01 de setembro no Ibovespa, mostra os cinco ativos com maior peso no índice: Itauunibanco PN (11,453%), Bradesco PN (8,244%), Ambev S/A ON (7,299%), Petrobras PN (5,331%) e Vale PNA (4,727%).

Commodities

O petróleo é destaque nos mercados. Atingiu o maior patamar em um mês baseado na expectativa de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) estenda os atuais cortes na produção para além deste primeiro semestre durante a reunião de quinta-feira (25). Arábia Saudita, líder informal da Opep, e a Rússia defenderam que os cortes sejam estendidos por nove meses até março de 2018.

Há pouco, o contrato futuro para entrega em junho do petróleo tipo WTI é negociado a US$ 50,81 o barril, com alta de 0,95%.

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, fechou estável a US$62,69 a tonelada seca e com 62% de pureza.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia