Ibovespa fecha no azul com Previdência e Jerome Powell no radar

Volume financeiro ficou em R$8,7 bilhões

Política no radar

A bolsa de ações de São Paulo fechou no azul nesta terça-feira, com o otimismo para indicadores apresentados hoje das <a href=”https://www.ultimoinstante.com.br/ultimas-noticias/economia/governo-central-registra-primeiro-superavit-primario-em-seis-meses/211088/”>contas do governo</a> e também na demonstração de esforços para a votação da reforma da Previdência. Além disso, ficou no radar o desempenho do indicado do presidente Donald Trump para assumir o Federal Reserve, Jerome Powell, na sabatina da Comissão Bancária do Senado dos Estados Unidos esta tarde. Powell deve assumir em fevereiro do ano que vem no lugar de Janet Yellen.

Ao final, o Ibovespa ficou em alta de 0,11% aos 74.139 pontos. O volume de negócios ficou em R$8,7 bilhões. O IEE ficou em queda de 0,25%.

“A influência no comportamento da bolsa ficou por conta de dois fatores: a reforma da Previdência e Powell na sabatina do Senado. Por aqui, o que se vê é um esforço para que a reforma, pelo menos com um texto mais enxuto, entre em votação ainda este ano. Já o novo indicado do Fed, que segue a mesma cartilha de Yellen, que seguia a cartilha de Ben Bernanke, foi bem e os investidores de Wall Street ficaram mais animados. Porém, é preciso ver como virá o pacote fiscal dos republicanos e qual será o caminho que o Fed vai trilhar depois disso. O que se vê é mais uma alta nas taxas de juros em dezembro, como Yellen já vinha anunciando. Ainda por aqui, o desembarque do PSDB do governo Temer já dá sinais de que Alckimin deverá sair fortalecido para disputar a presidência. O que resta é esperar”, destacou o analista de investimentos da Corretora Magliano, Pedro Galdi.

O governo espera pela votação do mini-projeto a partir do próximo dia 15, lembrando que o prazo é curto com a chegada do final do ano, e o texto pode sofrer muitas alterações.

O PSDB, por exemplo, poderá cair nas mãos do governador Geraldo Alckimin, que deve administrar a saída do partido do governo, abrindo espaço para outros partidos do Centrão e para o PMDB.

“Se eu assumir o partido, o PSDB desembarca do governo Michel Temer. Eu acho que não tem nenhuma razão o continuar no governo. Já não é de hoje que penso assim. Mas as reformas vão continuar”. A afirmação, em primeira mão, foi dada pelo governador em entrevista exclusiva da Rádio Bandeirantes, na manhã desta terça-feira.

Os investidores de Wall Street gostaram da primeira apresentação de Jerome Powell no Senado e os índices de peso estão fechando em novos recordes.

Os “bigwigs” do Fed vão se reunir pela última vez no ano sob o comando de Yellen nos dias 12 e 13 de dezembro.

As apostas prosseguem para a alta da taxa de fundos federais de 1,25% para 1,5%. Muitos empréstimos, tais como hipotecas, empréstimos de carro e linhas de crédito de negócios, estão vinculados a mudanças na taxa de fundos federais.

As ações com ganhos
Cemig PN, alta de 2,69%; Lojas Americanas PN, alta de 1,86%; Bradespar PN, alta de 1,56%; e Brasil ON, alta de 1,49%.

As ações com perdas
Suzano Papel ON, queda de 3,14%; Sid. Nacional, queda de 2,75%; Qualicorp ON, queda de 2,47%; e Eletrobras PNB, queda de 1,91%; e Eletrobras ON, queda de 1,70%.

A Petrobras ON ficou em queda de 0,25% e a PN, queda de 0,19%.

A Vale ON ficou em alta de 2,37%.

Carteira Teórica

A Carteira Teórica, que passou a vigorar de 04 de setembro a 28 de dezembro no Ibovespa, mostra os cinco ativos com maior peso no índice: Itauunibanco PN (10,846%), Bradesco PN (8,485%), Ambev ON (7,039%), Petrobras PN (4,883%) e Vale ON (9,040%).

Commodities

O petróleo referência, Brent, ficou em alta na bolsa de Futuros de Londres em 0,60% aos US$64,02 o barril.

O petróleo WTI ficou em queda de 0,38%, cotado a US$ 57,89 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, fechou em alta de 0,73% aos US$67,76 a tonelada seca e com 62% de pureza.

A celulose fibra longa negociada fechou US$959,50, alta de 0,01%, a tonelada na sessão anterior. A celulose fibra curta fechou em US$948,69 e alta de 0,89%, a tonelada.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia