Ibovespa fecha semana em alta de 3,5% e marca novo recorde

Foram quatro sessões em recordes sucessivos e IEE manteve a volatilidade

Flickr Creative Commons

A primeira semana de 2018 da bolsa de valores de São Paulo foi marcada pelo bom humor dos investidores, com o mercado de touro tomando conta. O índice principal encerrou em grande estilo, alta de 3,50%, com recordes sucessivos por quatro pregões.

Ao final do pregão desta sexta-feira, o Ibovespa ficou em alta de 0,54% aos 79.071 pontos. O volume financeiro ficou em R$7,9 bilhões. O IEE ficou em alta de 0,29%.

Análise de Alvaro Bandeira

Na primeira semana do ano, os investidores dos mercados acionários globais permaneceram animados e partiram para o risco. A recuperação econômica global foi constatada, ao longo da semana mais curta com a volta dos feriados, através da produção industrial. “O pano de fundo foi a recuperação da economia global em 2017, mais precisamente no segundo semestre. Acompanhamos índices de inflação para baixo no países que precisavam e elevados também onde eram necessários. No cenário doméstico, mais precisamente na B3, o ponto principal foi o reposicionamento de carteira mais agressivo, isso porque se algo der errado haverá tempo para uma recuperação. Veja que em dois dias, a entrada de estrangeiros somou R$1 bilhão. O índice atingiu recordes no viés de 79 mil pontos e tem espaço para os 80 mil. Com alguma realização, que deve ocorrer, os 77 mil serão o ponto de equilíbrio. Porém, dois fatores estão no radar dos mercados: a decisão sobre o ex-presidente Lula e a Previdência”, avaliou.

No cenário externo, o que parecia impossível aconteceu com as Coreias dando sinais de aproximação. “Os riscos geopolíticos estão, pelo menos neste momento, menores. Os líderes coreanos já deram sinais de aproximação. O Irã e a Palestina também viram as manifestações enfraquecendo. Na Alemanha, a primeira-ministra Angela Merkel está tentando a coalização, que deve ocorrer no final de semana, e o processo Brexit está em linha”, finalizou o analista-chefe e sócio do ModalMais, Alvaro Bandeira.

As ações com ganhos

BRF ON, alta de 4,92%; Braskem PNA, alta de 2,42%; Equatorial ON, alta de 0,98%; Sid. Nacional ON, alta de 2,26%; e Bradespar PN, alta de 2,41%.

As ações com perdas

Usiminas PNA, queda de 4,29%; Embraer ON, queda de 5,28%; Eletrobras PNB, queda de 2,52%; ViaVarejo UNT, queda de 1,58% e Gerdau PN, queda de 1,25%.

A Petrobras ON ficou em alta de 0,79% e a PN, alta de 0,06%.

A Vale ON ficou em alta de 1,56%.

Carteira Teórica

A Carteira Teórica do Índice Bovespa em vigor de 02 de janeiro a 04 de maio de 2018. Os cinco ativos que apresentam o maior peso na composição do índice são: Itauunibanco PN (10,510%), Vale ON (9,993%), Bradesco PN (7,830%), Ambev S/A ON (6,875%) e Petrobras PN (5,240%).

Commodities

O petróleo referência, Brent, ficou em queda na bolsa de Futuros de Londres em 1,04%  a US$68,52 o barril.

O petróleo WTI segue em queda de 0,81%, cotado a US$ 61,52 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, ficou em alta de 0,34% a US$76,80  a tonelada seca e com 62% de pureza.

A celulose fibra longa negociada fechou US$1003,33, alta de 0,37%, a tonelada na sessão anterior. A celulose fibra curta fechou em US$981,69 e alta de 0,24%, a tonelada.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia