Ibovespa fica em alta de 5,3% na semana, fecha acima dos 85 mil pontos e IEE avança

Estatais ficam para cima e volume financeiro fica em R$16,1 bilhões

Flicker Creative Commons

A bolsa de valores de São Paulo fechou em alta, com o índice principal disparando na semana em valorização de 5,30%. Com isso, o Ibovespa segue a sequência de recordes no mês de janeiro histórico para o mercado financeiro brasileiro.

Nesta sexta-feira, na carona com os resultados dos ADRs nas negociações desta quinta-feira (25) nos mercados internacionais, o índice Bovespa manteve o rali na volta do feriado de ontem em São Paulo. O bom humor, também no cenário externo, se deu com a decisão do TRF4 condenando, em segunda instância, o ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá. A pena de Lula também foi elevada de 9 anos e meio para 12 anos e um mês, mais multa de 280 dias. Além disso, ontem Lula teve o passaporte apreendido.

Nesta sexta-feira, as ações das estatais dispararam, com destaque para Eletrobras. A Petrobras também disparou ao anunciar que precificou, ontem (25), a emissão do título 5,750% Global Notes com vencimento em 2029, emitido através da sua subsidiária integral Petrobras Global Finance B.V. no volume total de US$ 2 bilhões. A oferta foi registrada na SEC (U.S. Securities and Exchange Commission) e conta com a garantia total e incondicional da companhia.

Ao final, o Ibovespa ficou em alta de 2,21% aos 85.530 pontos. O giro financeiro ficou em R$16,1 bilhões. O IEE ficou em alta de 1,95%.

As ações com ganhos
Cemig PN, alta de 10,07%; ViaVarejo UNT, alta de 5,77%; Rumo ON, alta de 5,67%; Gerdau PN, alta de 5,66%; Petrobras ON, alta de 5,24%; Eletrobras ON, alta de 3,58%; e Eletrobras PN, alta de 5,21%..

As ações com perdas
Marfrig ON, queda de 1,60%; Suzano Papel ON, queda de 1,44%; Hypermarcas ON, queda de 1,32%; Cielo ON, queda de 1,59% e Natura ON, queda de 1,48%.

A Vale ON ficou em queda de 0,84%.
O Itau Unibanco ON ficou em alta de 5,46%.
O Bradesco PN ficou em alta de 3,52%.
O Banco do Brasil ON ficou em alta de 3,11%.

Carteira Teórica

A Carteira Teórica do Índice Bovespa em vigor de 02 de janeiro a 04 de maio de 2018. Os cinco ativos que apresentam o maior peso na composição do índice são: Itauunibanco PN (10,510%), Vale ON (9,993%), Bradesco PN (7,830%), Ambev S/A ON (6,875%) e Petrobras PN (5,240%).

Commodities

O petróleo referência, Brent, ficou em queda na bolsa de Futuros de Londres a 1,76% a US$69,94 o barril.

O petróleo WTI segue em alta de 0,98%, cotado a US$ 66,15 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, ficou em queda de 0,85% a US$74,40 a tonelada seca e com 62% de pureza.

A celulose fibra longa negociada fechou US$1033,42, alta de 0,33%, a tonelada na sessão anterior. A celulose fibra curta fechou em US$1000,00 a tonelada.

Análise Alvaro Bandeira

A semana foi de indicadores interessantes para todas as economias, algumas estimativas mistas, mas o otimismo segue predominando. ” A semana começou com o governo norte-americano travado, mas logo na segunda-feira tudo voltou ao normal e com o prazo até o dia 08 de fevereiro para que as medidas sejam adotadas pelo Congresso. Por aqui, sem nenhuma dúvida, a grande expectativa ficou para a decisão dos três desembargadores do TRF-4 sobre o futuro de Lula. Havia um temor de 2X1, o que abriria uma brecha para que ele disputasse a eleição presidencial em outubro. Isso era tudo o que o mercado não queria, tanto que ainda na terça-feira houve um pouco de realização na bolsa paulista. A decisão de unanimidade deu tranquilidade e o investidor saiu para as compras. Resta ver que até o dia 23, o volume era de R$6,6 bilhões de ingresso de recursos dos investidores estrangeiros”, disse o analista.

Passada a decisão, Bandeira não descarta para os próximos dias os 90 mil pontos. “Eu sigo nas minhas projeções com parcimônia e acredito nos 90 mil pontos nos próximos dias. Não dá pra arriscar os 100 mil, embora com espaço, mas o melhor é seguir com calma. Os indicadores domésticos estão subindo, como o Caged que já dá uma reação mais positiva, a balança comercial e os gastos dos brasileiros. O cenário global é positivo, com os resultados do PIB norte-americano, com os PMIs desacelerando nas estimativas para dezembro, mas em forte expansão em vários países, com na Zona do Euro. Vale lembrar também as medidas fiscais adotadas por Donald Trump para as produções de máquinas de lavar, também de painéis solares, aço e alumínio e que ainda criou um constrangimento com a China”, falou Bandeira.

Para a semana, o sócio da Modal Mais acredita em novos recordes do índice e mais dinheiro entrando. “Ao olhar para a frente ainda é preciso esperar pela reforma da Previdência. Passada a votação, o futuro seguirá para a campanha presidencial”, finalizou o economista-chefe e sócio da ModalMais, Alvaro Bandeira.

Commodities

O petróleo referência, Brent, segue em queda na bolsa de Futuros de Londres a 0,66% a US$70,72 o barril.

O petróleo WTI segue em alta de 0,12%, cotado a US$ 65,59 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, ficou em queda de 0,85% a US$74,40 a tonelada seca e com 62% de pureza.

A celulose fibra longa negociada fechou US$1033,42, alta de 0,33%, a tonelada na sessão anterior. A celulose fibra curta fechou em US$1000,00 a tonelada.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia