Ibovespa mantém os 74 mil pontos e IEE fica no azul

O volume financeiro ficou em R$9,8 bilhões

Arquivo:UI

O Ibovespa manteve o rali nesta terça-feira, porém, não com a mesma valorização do começo desta tarde. Houve um pouco de realização com papéis de peso, como Petrobras e Eletrobras. Os investidores se voltaram para o cenário político de Brasília com nova denúncia contra o presidente Michel Temer pelo Supremo Tribunal Federal.

Ainda hoje, o Palácio do Planalto divulgou nota sobre as citações do nome do presidente Temer nos casos da J&F e do relatório da Polícia Federal, com o envolvimento na cúpula do PMDB.

Notícias corporativas também ficaram no radar, com a Vale, que através de nota demonstrou interesse nas usinas da Cemig, considerando que a mineradora espera redução de custos no objetivo de autossuficiência energética.

Ao final, o Ibovespa ficou em alta de 0,30% aos 74.538 pontos. O volume financeiro ficou em R$9,8 bilhões. O IEE ficou em alta de 0,60%.

As ações com ganhos

Lojas Renner ON, alta de 2,70%; Cemig PN, alta de 3,56%; Braskem PNA, alta de 2,21%; Natura ON, alta de 3,04%; e Ambev ON, alta de 3,70%.

As ações com perdas

Fibria ON, queda de 2,51%; Ecorodovias ON,  queda de 2,45%; Gerdau Met. PN, queda de 2,44%; MRV ON, queda de 2,17%; e Estacio Part. ON, queda de 1,47%.

A Petrobras ON ficou em queda de 0,77% e a PN, queda de 0,80%.

A Vale estava em alta de 0,48% e a PN, alta de 0,75 %.

Carteira Teórica

A Carteira Teórica, que passou a vigorar de 04 de setembro a 28 de dezembro no Ibovespa, mostra os cinco ativos com maior peso no índice: Itauunibanco PN (10,846%), Bradesco PN (8,485%), Ambev ON (7,039%), Petrobras PN (4,883%) e Vale ON (9,040%).

Commodities

O petróleo WTI ficou em alta de 0,54%, cotado a US$ 48,33 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, fechou em alta de 2,53% aos US$76,37 a tonelada seca e com 62% de pureza.

A celulose fibra longa negociada fechou US$895,71, alta de 0,57%, a tonelada na sessão anterior. A celulose fibra curta fechou em US$879,99 e alta de 0,01%, a tonelada.

 

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia