Ibovespa opera em ligeira alta e IEEX recua 0,4%

Volume financeiro era de R$ 6 bilhões

Arquivo: UI

A bolsa de valores de São Paulo opera em ligeira alta nesta terça-feira, com os investidores ajustando e analisando o desempenho econômico, enquanto aguardam as próximas decisões para a votação da Reforma da Previdência. O preço do petróleo negociado na Bolsa de Nova York, que pela manhã estava positivo, acabou voltando.

Há pouco, o Ibovespa estava em alta de 0,08% aos 68.591 pontos. O giro financeiro era de R$6 bilhões.

As ações com ganhos
Sabesp ON, alta de 6,35%; Qualicorp ON, alta de 5,03%; Gerdau Met PN, alta de 4,98%; Rumo ON, alta de 3,85%; e Copel PNB, alta de 3,31%.

As ações com perdas
JBS ON, queda de 7,60%; WEG ON, queda de 4,60%; Eletrobras PNB, queda de 3,25%; Eletrobras ON, queda de 3,28%; e Marfrig ON, queda de 3,26%.

A Petrobras estava ON estava em queda de 0,12% e a PN, queda de 0,45%.
A Vale ON estava em alta de 2,44% e a PN, alta de 2,55%.

Empresas

Copel (CPLE6) e Cemig (CMIG4) superam estimativas. As duas elétricas contabilizaram um ganho, não recorrente, referente à indenização dos empreendimentos de transmissão, porém, mesmo expurgando esse efeito, os resultados ficaram acima do esperado, com forte crescimento de EBITDA, margem e lucro líquido. Ambas foram favorecidas pelo maior preço de venda no mercado de curto prazo, bem como pelo menor dispêndio com despacho termelétrico e menor despesa financeira no trimestre. Já no que tange ao endividamento, a estatal paranaense continuou reduzindo sua alavancagem, enquanto a Cemig segue com uma situação bastante delicada, devido ao curto cronograma de vencimento (cerca de 30% de sua dívida total vence ainda esse ano). Os papéis CPLE6 e CMIG4 devem reagir de forma positiva ao longo do pregão.

Light (LIGT3) reporta números melhores, mas aquém do esperado. O destaque positivo ficou com a redução das perdas e melhora nos índices de qualidade operacional neste trimestre. Todavia, o maior volume de energia recuperada acabou trazendo um impacto negativo para a taxa de arrecadação e para a rubrica de provisão para devedores de liquidação duvidosa. O segmento de geração foi favorecido tanto pelo maior volume quanto pelos maiores preços de venda no curto prazo, porém, o segmento de distribuição minimizou parte desse ganho, pelos dispêndios com o programa de demissão voluntária e impacto da variação cambial sobre as despesas financeiras. Ainda que a recuperação tenha sido mais tímida do que a projetada, essa divulgação deve trazer influência apenas marginalmente negativa para suas ações.

Alupar (ALUP11) segue com bons resultados. A transmissora apresentou bons números nesse trimestre, com o resultado regulatório registrando crescimento de EBITDA e margem, além do dobro do lucro do 1T16. Questões como a entrada em operação da PCH Morro Azul, o reajuste da Receita Anual Permitida e o rígido controle de custos e despesas propiciaram o melhor desempenho. Ademais, houve redução na despesa financeira e em sua alavancagem, com o índice dívida líquida/ EBITDA recuando dos 3,2x registrados doze meses atrás para 2,4x. Suas ações podem reagir de forma positiva a tal divulgação.

Commodities

O contrato futuro para entrega em junho do petróleo tipo WTI é negociado a US$ 48,66 o barril, com queda de 0,39%, no momento.

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, fechou em queda de 0,94% a US$60,80 a tonelada seca e com 62% de pureza.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia