Ibovespa opera em queda de IEE sobe 0,66%

O contrato futuro do petróleo tipo WTI para entrega em agosto é negociado a US$ 45,91, queda de 2,15% na bolsa de Nova York

Arquivo: UI

O Ibovespa não sustenta alta da abertura e opera em queda no começo da tarde desta sexta-feira, com os investidores digerindo as medidas do governo federal em elevar os impostos sobre os combustíveis, corte de despesas e o relatório do balanço de pagamentos do Banco Central do Brasil-BCB para junho. As commodities seguem derretendo nos mercados internacionais.

Há pouco, o Ibovespa estava em queda de 0,31% aos 64.738 pontos. O IEE está em alta de 0,66%. O volume financeiro era de pouco mais de R$ 3 bilhões.

As estimativas de que os cortes e os impostos possam reduzir o déficit orçamentário foi um dos principais temas da apresentação do presidente Michel Temer na reunião do Mercosul em Mendonza, Argentina, nesta manhã.

A cautela dos investidores também fica para os resultados financeiros, com o primeiro ano de Temer e as medidas para a recuperação da crise econômica, e o impacto para as empresas.

As ações com ganhos
Localiza ON, alta de 5,05%; Rumo ON, alta de 2,59%; Cyrela Realt ON, alta de 2,19%; Lojas Renner ON, alta de 2,38%; e Usiminas PNA, alta de 1,22%.

As ações com perdas
Braskem PNA, queda de 3,16%; Marfrig ON, queda de 1,82%; e Estacio Part. ON, queda de 2,07%.

A Petrobras ON opera em queda de 2,13% e a PN, queda de 2,06%.

A Vale ON estava em queda de 0,77% e a PN, queda de 0,67%.

Carteira Teórica

A Carteira Teórica, que passou a vigorar de 02 de maio a 01 de setembro no Ibovespa, mostra os cinco ativos com maior peso no índice: Itauunibanco PN (11,453%), Bradesco PN (8,244%), Ambev S/A ON (7,299%), Petrobras PN (5,331%) e Vale PNA (4,727%).

Empresas

A Localiza (RENT3) reporta excelente resultado neste 2T17,  com crescimento de 39,7% na receita líquida consolidada, 27,5% no EBITDA e 31,9% no lucro líquido, quando comparada ao 2T16. As receitas líquidas de aluguel apresentaram elevação de 17,6%, sendo 21,2% na Divisão de Aluguel de Carros e 10,6% na Divisão de Gestão de Frotas. Já a receita líquida dos Seminovos cresceu 62,8% na mesma base de comparação.

A Helbor (HBOR3) divulga prévia sem surpresas. A companhia viu seus números mudarem muito pouco do 1T17 para o segundo, com vendas e distratos no mesmo nível dos três meses anteriores. O patamar dos distratos permanece elevado, um pouco mais da metade das vendas do período. As entregas de imóveis também vieram em linha com o trimestre anterior, o que é um indicativo que os distratos devem se manter relativamente flat no próximo trimestre

Commodities

 

O contrato futuro do petróleo tipo WTI para entrega em agosto é negociado a US$ 45,91, queda de 2,15% na bolsa de Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, fechou em queda de 1,34% aos US$671,14 a tonelada seca e com 62% de pureza.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia