Ibovespa opera em queda e IEEX despenca 2,4%

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, fechou estável a US$62,69 a tonelada seca e com 62% de pureza

Bolsa paulista

A bolsa de valores de São Paulo opera em queda nesta segunda-feira, com a cautela dos investidores para o clima político tenso no Brasil, e realização de lucros. Os papéis de peso no índica, Petrobras e Vale, estão divididas com as commodities para cima.

Há pouco, o Ibovespa estava em queda de 1,85% aos 61.483 pontos. O IEEX está em queda de 2,41%. O giro financeiro seguia para R$6 bilhões.

As ações com ganhos
Fibria ON, alta de 7,87%; BRF ON, alta de 4,15%; Suzano Papel PNA, alta de 6,24%; Embraer ON, alta de 4,22%; Vale PNA, alta de 1,52%.

As ações com perdas
JBS ON, queda de 18,37%; Rumo ON, queda de 11,61%; Cyrela Realt ON, queda de 9,04%; Multiplan ON, queda de 6,90%; BRM Malls ON, queda de 4,20%.

A Vale ON, alta de 0,84% e a PN, alta de 1,63%.
A Petrobras ON estava em queda de 1,87% e a PN, queda de 3,16%.

Carteira Teórica

A Carteira Teórica, que passou a vigorar de 02 de maio a 01 de setembro no Ibovespa, mostra os cinco ativos com maior peso no índice: Itauunibanco PN (11,453%), Bradesco PN (8,244%), Ambev S/A ON (7,299%), Petrobras PN (5,331%) e Vale PNA (4,727%).

Empresas

Sabesp (SBSP3) tem novo cronograma de revisão. Após aceitar o pleito da Sabesp e postergar em um mês o prazo para recebimento de informações, a Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo – ARSESP divulgou um novo cronograma para o processo de revisão tarifária da companhia. Agora, a previsão é que a abertura de audiência pública para da discussão da tarifa média máxima preliminar ocorra entre o final de julho e o dia 21/08. Já a divulgação final da tarifa preliminar, inicialmente prevista para 10/06 e depois postergada para 30/06, agora deve ocorrer só em 15/09. Suas ações podem reagir de forma negativa a tal divulgação.

Commodities

O petróleo é destaque nos mercados. Atingiu o maior patamar em um mês baseado na expectativa de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) estenda os atuais cortes na produção para além deste primeiro semestre durante a reunião de quinta-feira (25). Arábia Saudita, líder informal da Opep, e a Rússia defenderam que os cortes sejam estendidos por nove meses até março de 2018.

Há pouco, o contrato futuro para entrega em junho do petróleo tipo WTI é negociado a US$ 50,90 o barril, com alta de 1,13%.

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, fechou estável a US$62,69 a tonelada seca e com 62% de pureza.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia