PLD pode subir em agosto e chegar aos R$ 533 MW/h

PLD subiu 9% em todos os submercados ao passar dos R$ 233,32/MWh para R$ 253,45/MWh

Divulgação

Os dados apresentados pela Comerc Energia sugerem que o preço a energia elétrica no mercado de curto prazo poderá subir até 40% no mês de agosto. Essa probabilidade está alinhada com as projeções do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) para a energia natural afluente (ENA) para até o final deste mês.

Para a empresa, uma das principais no mercado livre de energia há quase duas décadas, o preço das liquidações das diferenças (PLD) poderá chegar até R$ 324/MWh em agosto. Vale destacar que o PLD serve como um indicador dos contratos de compra e venda de energia no curto prazo.

“Com sempre são fatores sazonais que precificam a energia. Para agosto, esses dados dos ONS, com a projeção dos R$324 por megawatts-hora, se considerarmos a seca na região Sudeste poderemos chegar a um preço-teto de R$533/MW/h. Vale lembrar que tivemos um volume de chuva intenso em dois dias em junho, mas não o suficiente para a recuperação dos reservatórios do Sudeste, que representam mais de 70% da capacidade dos demais no País”, destacou o presidente da Comerc Energia, Cristopher Vlavianos, ao Setor Energético.

Em resumo, a lógica que norteia a formação de preços no setor é: o preço cai quando há mais água nos reservatórios e/ou nos rios que levam a água para as usinas hidrelétricas; no sentido inverso, quanto menos água, maior o preço da energia no País.

“Nesse momento, além de uma menor incidência de chuvas na região Sudeste, também a ENA, ou seja, a energia que pode ser obtida pela passagem da água pelas usinas, está em 92% da média histórica. Este ano, já com esse cenário, para o mercado livre de energia tivemos que contratar com preços mais altos para o PLD. Ressaltando que até que os reservatórios se recomponham as termelétricas estão despachando mais energia com custos mais elevados”, explica.

As previsões da Comerc Energia também estimam duas outras possibilidades de comportamento do PLD. No caso da afluência nos rios ser superior à projetada pelo Operador, o PLD de agosto poderia cair para R$ 217/MWh. Em sentido inverso, se a ENA média indicada pelo ONS for menor, o PLD de agosto poderia ser ainda mais alto, na casa dos R$ 533/MWh.

As estimativas da Comerc Energia para determinar o PLD futuro levam em conta modelos que abrangem a afluência dos rios que chega aos reservatórios de usinas hidrelétricas, a quantidade de água nos reservatórios das usinas hidrelétricas (EAR), a oferta futura de energia no País, bem como o consumo total de energia no Sistema Interligado Nacional (SIN).

“Mesmo com o PLD acima, ainda é inferior ao do mesmo período do ano passado. Desde maio, o preço da energia no Brasil passou a adotar parâmetros mais rígidos de aversão ao risco em seu cálculo. Sem essa mudança, o PLD de agosto estaria próximo dos R$ 219/MWh”, pontua Vlavianos.

PLD para a próxima semana

Nesta sexta-feira, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE informou o PLD para o período entre 8 e 14 de julho, que subiu 9% em todos os submercados ao passar dos R$ 233,32/MWh para R$ 253,45/MWh. O preço segue equalizado em todo o país, uma vez que os limites de intercâmbio entre os submercados Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte não foram atingidos em nenhum patamar de carga.

 

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia