Senop destaca avanços tecnológicos nas operações energéticas do Brasil

Diretor-geral da Itaipu faz abertura oficial e destaca desempenho de geração no primeiro dia do evento

Nilton Rolin

A cidade de Foz de Iguaçu está sediando o 8º Seminário Nacional dos Operadores de Sistemas e de Instalações Elétricas -Senop, em que os principais players do setor estão apresentando os avanços tecnológicos na busca pela eficiência e qualidade na produção de energia em todas as fontes.

Na abertura oficial do Senop, o diretor-geral da Itaipu, Luiz Fernando Vianna, destacou a importância do evento para aperfeiçoar ainda mais  as operações do sistema energético nacional e também da apreciação dele pela área técnica, já que neste momento acumula também o cargo de diretor-técnico da gigante brasileira. “Um dos primeiros Senop foi realizado pela Copel e agora estou aqui também como diretor da área técnica e abrindo este oitavo evento. Confesso que estou gostando muito da área técnica”, descontraiu.

Voltando para falar de Itaipu, Vianna resumiu o desempenho operacional da usina, que segue em recordes constantes de geração, e também explicou o interesse de vários países pelo know how de Itaipu. Um deles é a China que possui uma das maiores hídricas do mundo, a Three Gorges, inspirada na Binacional. “Assinamos em nossa última viagem à China mais um convênio de cooperação para a área técnica. Um avanço para a China, que enfrenta um comportamento climático muito diferente do Brasil e isso acaba prejudicando o desempenho da usina em determinadas estações. Sem contar o grande interesse dos chineses pelas nossas geradoras”, destacou Vianna ao finalizar a apresentação e dar as boas vindas aos mais de 200 participantes.

Logo em seguida, os primeiros representantes de quase 80 empresas de energia do país iniciaram as apresentações, tendo como foco os operadores do Sistema Interligado Nacional – SIN, que atuam em tempo real nos setores de geração e transmissão do País.

A  necessidade de ter o acesso a uma informação específica de forma rápida foi o tema da primeira palestra do evento e ficou sob a responsabilidade do engenheiro Henrique Ribeiro, de Itaipu.

Em Sinalização e identificação operativa dos equipamentos da usina, Ribeiro reforçou a importância de uma descrição precisa dos equipamentos para que o operador possa manobrá-los de forma rápida.

“Para cada painel existe uma quantidade enorme de conhecimento embutido, é um volume muito grande de informação. Em uma manobra, o operador precisa estar focado naquilo que vai resolver, por isso a identificação tem que mostrar apenas o necessário para aquele procedimento”, resume Ribeiro, que destacou também a importância de estudos e normas para a eficiência na geração.

O segundo tema com a utilização de internet das coisas foi Benefícios do Sistema de Gestão e Conteúdo na Operação em Tempo Real do Operador Nacional do Sistema – ONS.

Com a performance tecnológica de ponta, o ONS está se renovando e, ao mesmo tempo, preservando documentos ainda da década de 90 e avançado na implantação do sistema de modernização para a gestão de conteúdo. Essa inovação está permitindo, por exemplo, a integração dos estados da região Norte do País, usinas do Rio Madeira e parques eólicos em tempo real. “O sistema permite um planejamento bem elaborado e faz a integração na gestão de documentos e de conteúdo. Podemos realizar uma medição simultânea das operações tanto regional e como nacional e em tempo real”, destacou o representante do ONS, Adel Mendonça de Oliveira.

Em outro painel, o tema foi a Infraestrutura de Smart Grid no Tratamento e Disponibilização de Informações, que ficou sob a responsabilidade de Rafael Diniz David, da CPFL Energia.

A companhia, que vem se destacando pelo desempenho na área de renováveis, já é referência na utilização da telemedição. Esse avanço que vem sendo implantado desde 2011 promete ser um dos destaques da companhia nos próximos anos, principalmente com os mais de 1.500 quilômetros de fibra óptica.

Com os projetos, a meta da holding é garantir a identificação mais rápida de fraudes, falhas e perdas de energia, aumentar a rapidez e automatização na conexão e desconexão de serviços e reduzir o número de ocorrências na rede, bem como o tempo médio de atendimento.

As ações permitem à empresa conhecer, em tempo real, o consumo e perfil de carga de seus consumidores, além disso, com a migração de clientes para o mercado livre de energia houve um grande aumento no número de troca de medidores.

Ainda para este primeiro dia do Senop, a Enel Green Power Brasil foi representada pelo superintendente de Operação e Manutenção, Adriano Fernandes Duarte, que trouxe a experiência de um dos  ativos de peso, o painel solar que ocupa uma área de 690 hectares na região do semiárido. Os 546 MW de projetos solares fotovoltaicos, sendo 254 MW do parque solar Ituverava e 292 MW do parque solar Nova Olinda, são os maiores da América do Sul atualmente em operação. Ituverava fica no município de Tabocas do Brejo Velho, Estado da Bahia, e Nova Olinda está localizada no município de Ribeira do Piauí, no Estado do Piauí. Em plena operação, a usina solar será capaz de produzir mais de 600 GWh por ano e será suficiente para atender às necessidades de consumo de cerca de 300 mil lares brasileiros. Mas para que tudo isso funcione de maneira integrada, bem como o complemento da geração limpa com um de seus parques eólicos, a Enel também utiliza a grande onda tecnológica como a principal aliada.

Por se tratar de uma região muito seca o constante acúmulo de poeira nas placas solares inibe a liberação de energia em 60%, mas para que a limpeza seja imediata, evitando assim uma perda técnica, a Enel dispõe de um equipamento remoto e, mais além, de drones para a verificação de defeitos nas placas geradoras de energia. “Esse equipamentos nos ajudam a garantir a eficiência operacional da usina detectando defeitos em tempo real. Para inibir também o acúmulo de sujeira estamos cultivando vegetação rasteira no entorno do parque e contribuindo para evitar o impacto de CO² na atmosfera. O uso do know how italiano o empreendimento se destaca como um dos mais importantes empreendimentos de energia solar da América do Sul”, afirmou Duarte. Segundo a Enel, a prioridade também é para com o Meio Ambiente ao evitar a emissão de aproximadamente 350 mil toneladas de CO² na atmosfera.

O Senop prossegue nesta quinta-feira com mais destaques de empresas gigantes do setor energético no uso de tecnologias.

SE- Repórter viajou a convite da Itaipu Binancional

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia