Setor industrial mostrou recuo no consumo de energia em 2014, diz EPE

Conforme a Resenha Mensal da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) ligada ao Ministério de Minas e Energia (MME), houve um recuo  mais acentuado no setor industrial do que …

Consumo em queda

Conforme a Resenha Mensal da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) ligada ao Ministério de Minas e Energia (MME), houve um recuo  mais acentuado no setor industrial do que o previsto, tendo sido anotada a taxa negativa de 5,4% nos últimos seis meses do ano. Com isso, a previsão de o consumo industrial de energia atingir 186,9 TWh no ano de 2014 foi frustrada em 2,2 TWh, o que equivale à geração anual de uma usina hidrelétrica de 450 MW.

O setor metalúrgico, que é o segmento industrial maior demandante de energia, é um dos principais responsáveis por esta redução, em linha com as estatísticas de redução da produção que vêm sendo regularmente divulgadas pelo Instituto Aço Brasil e pela ABAL (Alumínio).

Confirmando as expectativas e sustentando a forte dinâmica que tem apresentado nos últimos anos, o segmento de comércio e serviços apresentou o maior aumento no consumo de energia. Ao longo de 2014, com exceção dos meses de junho e dezembro, quando houve influência de fatores conjunturais como o calendário de faturamento de grandes concessionárias, o crescimento do consumo de energia no segmento sempre foi de pelo menos 6%.

Na mesma linha do consumo comercial, o segmento residencial mostrou-se ainda capaz de sustentar em 2014 o crescimento robusto de 5,7%. Observe-se, contudo, que houve dinâmicas diferentes nas duas metades do ano: no 1º semestre, influenciado pelas elevadas temperaturas registradas no verão 2013/2014, o consumo cresceu 7,1% em relação ao mesmo período de 2013; no 2º semestre, o crescimento do consumo se deu a taxa mais modesta, de 4,3% e se baseou principalmente na expansão do número de consumidores com o consumo médio mensal por residência mantendo-se estável em torno de 166 kWh nos últimos seis meses do ano.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia