Tractebel tem lucro líquido de R$ 345 milhões no primeiro trimestre de 2015

Ebitda atingiu R$ 790 milhões no período, mostrando um crescimento de 13,8%

Manoel Zaroni

A Tractebel Energia divulgou nesta sexta-feira o balanço financeiro referente ao primeiro trimestre de 2015.

A receita líquida de vendas totalizou nos três primeiros meses deste ano R$ 1,62 bilhão, 1,5% menor que a do mesmo período de 2014. Já o lucro líquido foi R$ 345 milhões neste período, valor 19,2% acima do alcançado no 1TRI de 2014, e correspondente a R$ 0,5282 por ação. O EBITDA atingiu R$ 790 milhões no período, mostrando um crescimento de 13,8% em relação ao primeiro trimestre de 2014, e a margem EBITDA no primeiro trimestre deste ano foi de 48,8% incremento de 6,6 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano passado.

No período, as vendas de energia da Tractebel alcançaram no primeiro trimestre de 2015, 4.245 MW médios, um crescimento de 0,5% em relação ao mesmo período de 2014.

“É bom ressaltar que a alocação de energia realizada pela Empresa foi maior neste primeiro trimestre, o que impossibilita uma comparação com o resultado do mesmo período de 2014. Deve ficar claro também que uma simples extrapolação do resultado do trimestre para o ano inteiro não deve ser feita”, explica o diretor presidente da Tractebel Energia, Manoel Zaroni Torres.

Segundo Zaroni, o setor ainda está sob forte impacto do GSF, ou seja, sofrendo com a baixa hidrologia no País. O expressivo déficit de geração hidráulica faz com que a diferença, entre a energia vendida e a que é efetivamente produzida pelo conjunto das hidrelétricas brasileiras tenha que ser comprada no mercado de curto prazo, a preços mais elevados. “Essa situação criou um custo enorme para as geradoras, que precisam honrar os seus contratos de venda de energia hidráulica”, avisa o executivo. Para se ter uma ideia, o impacto financeiro do GSF para todo o setor foi da ordem de R$ 26 bilhões em 2014, e esse valor pode se manter em 2015, mesmo com a redução do PLD de R$ 822/MWh para R$ 388/MWh.

Investimentos

A Tractebel Energia continua investindo no desenvolvimento do Brasil e expandindo seu parque gerador com diferentes fontes de energia. No Rio Grande do Sul, a Empresa deve iniciar ainda no primeiro semestre a construção da Termelétrica Pampa Sul/Miroel Wolowski, movida a carvão mineral e com capacidade instalada de 340 MW. No Ceará, o Complexo Eólico Santa Mônica, com 97 MW, já está em obras; e na Bahia o Complexo Eólico Campo Largo (327 MW) também teve sua construção iniciada. Outra boa notícia para a geradora e comercializadora de energia é a volta da Unidade 6 da Usina Jorge Lacerda B (131MW), que desde junho de 2014 estava em manutenção.

“Acreditamos no potencial e no desenvolvimento do Brasil, e com esses empreendimentos estamos injetando 779 MW em nosso diversificado parque gerador”, finaliza do diretor presidente. Hoje, a Tractebel, que é a primeira do ranking das geradoras privadas do País, possui uma capacidade instalada própria de 7.027,2 MW, em 27 usinas operadas pela Companhia em um portfólio balanceado – 79% vindo de hidrelétricas, 16% de termelétricas e 5% de complementares.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia