Wall Street opera em queda com energéticas prejudicadas com o Harvey

Preço do WTI estava em queda de 3,09% em Nova York

Arquivo:UI

A bolsa de Nova York operava em queda nesta segunda-feira, com as ações da energéticas recuando e puxadas pelos preços do petróleo. Os investidores estão atentos para a produção norte-americana prejudicada pelo furacão Harvey, que agora passou para a categoria de tempestade tropical.

Há pouco, o S&P estava em queda de 0,02% aos 2.442; o Dow Jones estava em queda de 0,08% aos 21.705; e o Nasdaq em alta de 0,25% aos 6.281.

Os preços do petróleo bruto WTI estavam em queda de 3,09% aos US$46,39, os mais baixos com as refinarias do Texas. Os futuros do petróleo estão marcando o menor patamar em um mês. As expectativas ficam para os estoques, já que as refinarias na região do Golfo do México estão paradas e representam 17% da produção.

Por volta de meio dia, o índice de energia no S&P estava em queda de 3,5% e puxando ações de mais de 15 energéticas.

“Em termos de perda de produção offshore, os efeitos são menores do que a devastação do que furacão Ivan [em 2004] ou Katrina [em 2005]”, afirmou, James Williams, economista de energia da WTRG Economics.

No final da manhã de domingo, o impacto foi de cerca de 378.633 barris de petróleo por dia, ou 21,6% da produção de petróleo do Golfo do México, de acordo com uma atualização do Bureau of Safety and Environmental Enforcement . A perda máxima com o Ivan foi de um milhão de barris por dia, mas caiu rapidamente, e com Katrina e Rita, também em 2005, a perda combinada foi de mais de 1,5 milhão de barris por dia, confirmou Williams. O maior problema gerado pelo Harvey diz respeito ao refino, por causa das chuvas e inundações.

Os preços de futuros para a gasolina foram fechados na segunda-feira para se instalar no seu nível mais alto desde meados de abril, depois de agora, a tempestade tropical Harvey eliminou quase 15% da capacidade da refinaria do país, com novas interrupções prováveis.

Os contratos de petróleo com vencimento para outubro estavam em queda de US $ 46,69 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York, com preços estabelecidos para a menor instalação em aproximadamente um mês, de acordo com os dados do FactSet.

A gasolina com vencimentos para setembro estavam subiu 4,7 centavos, ou 2,9%, para US $ 1,714 por galão, o que marcaria o maior acabamento para um contrato de frente mês desde 17 de abril.

Os futuros do gás natural para a entrega de setembro subiram cerca de um centavo, ou 0,3%, em US $ 2,900 por milhão de unidades térmicas britânicas, após fechar 1,9% na sexta-feira.

O Exxon Mobil Corp., uma das maiores das unidades norte-americanas com capacidade para processar até 584 mil barris de petróleo bruto por dia, está fechada por causa da tempestade. A refinaria alimenta combustível em oleodutos e barcaças que o movem através dos Estados Unidos e Costa Leste.

Seguradoras

O JP Morgan calcula até $ 10 bilhões – $ 20 bilhões em perdas para o setor de seguros, ou um valor equivalente . Isso coloca Harvey dentro dos 10 furacões mais caros que atingiram os Estados Unidos, conforme analistas.

Na sexta-feira, pouco antes da chegada de Harvey na costa do Texas, a CreditSights divulgou uma análise das seguradoras mais expostas às perdas do furacão. State Farm tem a maior exposição global na Costa do Golfo, com US $ 5,9 bilhões em prêmios diretos de todos os tipos.

Nesta segunda-feira, as ações da maioria das seguradoras caíram como a Travelers Companies Inc., queda de 2,7%, MetLife Inc., queda de 0,5%, e Allstate Corporation ALL, queda de 1.51%, até o meio dia. O iShares US Insurance caía 1%.

Com apoio de agências internacionais

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia