CPFL Energia registra alta de 45% no lucro líquido do 3T17 para R$ 390 milhões

Os investimentos em transmissão somaram R$ 46 milhões, alta de 30,6%

Divulgação

A CPFL Energia, maior grupo privado do setor elétrico brasileiro, registrou lucro líquido de R$ 390 milhões no terceiro trimestre de 2017, um crescimento de 45% na comparação com igual período do ano passado. O resultado reflete a consolidação integral da RGE Sul e a melhora nos resultados dos segmentos de geração convencional e renováveis.

A receita líquida da companhia registrou aumento de 62,7% no mesmo intervalo de comparação, para R$ 7,78 bilhões. O forte crescimento reflete a incorporação dos resultados da RGE Sul e o aumento no faturamento dos segmentos de Comercialização de Energia (R$ 425 milhões), Geração Convencional e Renovável (R$ 125 milhões) e Serviços e (R$ 12 milhões).

As vendas totais nos 679 municípios das áreas de concessão do Grupo CPFL – localizadas principalmente nos estados de São Paulo e Rio Grande do Sul – aumentaram 18,4% no terceiro trimeste de 2017 frente ao mesmo período de 2016, somando 15,933 mil gigawatts-hora (GWh). Excluindo a RGE Sul, o Grupo apurou alta de 3,2%, para 13,888 mil GWh, refletindo o efeito do maior número de dias do ciclo de faturamento, o incremento de 2,0% no volume de unidades consumidoras e a expansão das principais atividades industriais na área de concessão do Grupo.

Entre as classes de consumo, as concessionárias do Grupo registraram crescimento no volume dos segmentos residencial, comercial e industrial, com variação positiva de 20,8%, 16,5% e 14,1%, respectivamente. Desconsiderando os volumes adicionados referentes à RGE Sul, o Grupo apurou aumento no consumo de clientes residenciais, comerciais e industriais, com variação positiva de 4,4%, 2,8% e 1,0%, respectivamente.

Tendo em vista os fatores citados anteriormente, a geração de caixa medida pelo Ebitda teve crescimento 13,8% no terceiro trimestre de 2017 frente ao mesmo período de 2016, totalizando R$ 1,27 bilhão. O Grupo encerrou o período com uma relação dívida líquida/Ebitda de 3,24 vezes, estável em relação trimestre anterior. Ao final de setembro, a posição de caixa estava em R$ 3,407 bilhões.

Investimentos em 2017 até setembro e no 3T17

No acumulado do ano até setembro de 2017, a CPFL Energia investiu R$ 1,923 bilhão, aumento de 20,6% na comparação com igual período do ano passado. Deste montante, o Grupo aplicou R$ 1,264 bilhão no segmento de distribuição, crescimento de 78,3%. A área de geração recebeu R$ 569 milhões, dos quais R$ 566 milhões em projetos de geração renováveis. Os investimentos em transmissão somaram R$ 46 milhões, alta de 30,6%. No terceiro trimestre de 2017, o Grupo investiu R$ 544 milhões nas três áreas de negócio.

No segmento de distribuição, os recursos investidos ao longo de 2017 foram dedicados à ampliação, ao reforço, à melhoria e à manutenção da rede, à infraestrutura operacional, à modernização dos sistemas de suporte à gestão e operação, além de serviços para o atendimento ao cliente e projetos de Pesquisa e Desenvolvimento. Em geração, os recursos foram direcionados para o Complexo Eólico Pedra Cheirosa (CE) e para a PCH Boa Vista II (MG), cujas obras tiveram início em fevereiro deste ano. Em transmissão, a CPFL Energia concluiu o projeto da subestação Morro Agudo (SP), inaugurada em setembro deste ano.

Nos próximos cinco anos, até 2021, a meta de investimentos do Grupo é de R$ 10,4 bilhões. Deste montante, R$ 9,2 bilhões serão aplicados em Distribuição, R$ 1,01 bilhão em Geração, R$ 157 milhões em Comercialização e Serviços e R$ 48 milhões em Transmissão. Para 2017, a meta é investir em torno de R$ 2,8 bilhões.

“A CPFL Energia está cada vez mais preparada para enfrentar os desafios e aproveitar as oportunidades do setor elétrico. Seguimos trabalhando em iniciativas de valor para nossos acionistas e em nosso plano de investimentos, com disciplina financeira, empenho e comprometimento de nossas equipes e a confiança de nossos novos acionistas controladores”, afirma o presidente da CPFL Energia, Andre Dorf.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia