Heliotek investe em nova linha de produção de coletor solar no Brasil

Uso da energia solar é uma tendência, especialmente por se tratar de uma alternativa vantajosa, eficaz e limpa

Bandeira amarela

A Heliotek, marca de aquecimento solar do Grupo Bosch, investiu R$ 1 milhão na aquisição de novas máquinas para a produção de coletores solares térmicos, que resultará na duplicação da capacidade fabril da empresa localizada em Barueri-SP.

A nova linha começará a operar a partir de 2017, para atender as demandas por soluções sustentáveis para o aquecimento de água residencial, comercial e industrial. “Acreditamos na retomada do mercado nacional e também no aumento da procu ra por produtos que geram mais economia, já que o coletor solar reduz os gastos com energia elétrica, e que contribuírem com a preservação do meio ambiente. Assim, já estamos preparados para as futuras oportunidades de negócios”, destacou o Robert Dzemski, vice-presidente da Bosch Termotecnologia responsável mundial pela linha solar térmico.

Segundo estimativas da empresa, em médio e longo prazos o volume de produção poderá aumentar na casa de dois dígitos por ano.

Com o aporte para ampliar sua estrutura e aquisição de maquinários modernos e alinhada à estratégia do Grupo Bosch, a Bosch Termotecnologia está intensificando a ação de “local for local” não apenas para a produção e compra de in sumos, mas também da engenharia para oferecer produtos que são adaptados às necessidades do mercado brasileiro.

Tecnologia de ponta

A Heliotek produz coletores de alta tecnologia e eficiência energética, que potencializam a captação de energia solar. Vale ressaltar que graças a tecnologia exclusiva de fabricação com solda por ultrassom ultrarresistente, os coletores solares térmicos da Heliotek são desenvolvidos com absorvedor em chapa única, o que reduz a circulação de ar e garante melhor desempenho durante toda a vida útil do equipamento.

Sustentabilidade e economia

O uso da energia solar é uma tendência, especialmente por se tratar de uma alternativa vantajosa, eficaz e limpa, sobretudo em países com alto índice de radiação solar como o Brasil. “É importante aproveitar esta fonte energética renovável e gratuita para minimizar ou até mesmo solucionar os desafios em rel ação a principal matriz energética do país – a elétrica – e também reduzir os impactos no orçamento do consumidor e ambiental”, afirma Dzemski.

Considerando o expressivo custo da energia elétrica, o retorno de investimento do sistema de aquecimento solar térmico para banho, por exemplo, também é atrativo, pois é reduzido para três anos ou menos, já que o sistema deixa de usar o chuveiro elétrico, ressalta o executivo da Bosch.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia