Seis startups brasileiras na final do EDP Open Innovation 2017

Equipes vão competir com empreendedores de Portugal, França e Espanha pelo prêmio de 50 mil euros e a oportunidade de se apresentarem no Web Summit

Divulgação

Entre os quase 200 inscritos do mundo todo, seis startups brasileiras se destacaram e foram selecionadas como finalistas do EDP Open Innovation 2017, concurso global que busca projetos inovadores para transformar o setor elétrico e o mercado de energia.

As equipes COSOL Condomínio Solar (SP), CUBi (SP), Enercred (MG), SeGRID (PR), Sii Smart Buildings (MG) e Sunflower Power System (MG) concorrem ao prêmio de 50 mil euros com outros nove grupos de Portugal, França e Espanha. No próximo mês, os competidores serão levados a Lisboa, onde irão participar de um programa de aceleração junto ao ecossistema de empreendedorismo do Grupo EDP. Lá, eles terão a chance de desenvolver e testar a solidez e a viabilidade dos seus modelos de negócio.

Na grande final, as quinze startups terão que apresentar suas soluções diante de um juri formado por especialistas da EDP, suas parceiras e profissionais do mercado, em um evento que acontece no próximo dia 26 de outubro, na capital portuguesa. Além do prêmio em dinheiro, o EDP Open Innovation dará ao vencedor e também ao segundo e terceiro lugar, a oportunidade de apresentarem seus projetos no Web Summit, principal evento europeu de inovação.

Assim como em 2016, o Brasil mais uma vez se destacou na competição como o país com o maior número de inscritos. Ao todo, 91 equipes brasileiras cadastraram seus projetos, quase metade do total mundial. As startups brasileiras propõem soluções em áreas como Blockchain, Transações de energia, Analytics, Big Data, Internet das Coisas e User Experience.

A COSOL, por exemplo, estuda a criação de um marketplace para geração distribuída que conecta consumidores de energia, usinas compartilhadas e investidores. Já a CUBi atua junto ao setor industrial para tornar mais palpável a gestão do uso da energia elétrica. A Enercred oferece um sistema de assinatura de energia limpa para o consumidor residencial.

A SeGRID, por sua vez, criou um software analítico para proteger a faturação de roubos e furtos de energia. A Sii Smart Building oferece um sistema controlador que incorpora dez tecnologias existentes nos edifícios mais avançados do mundo e permite instalá-los em outros prédios com custo reduzido. Por fim, a SunFlower desenvolveu um sensor que detecta qual é o posicionamento mais eficar para a instalação de paineis solares fotovoltaicos.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia