WEG tem receita de R$2,3 bilhões no segundo trimestre de 2015

Ações negociadas na BM&F Bovespa sob o código WEGE3 encerraram o último pregão de junho de 2015 cotadas a R$ 19,05, alta de 24,5%

Resultados da Eletrobras

A WEG, um dos maiores fabricantes mundiais de equipamentos eletroeletrônicos, atuando principalmente em bens de capital em  cinco linhas principais: Motores, Energia, Transmissão & Distribuição, Automação e Tintas, anunciou hoje seus resultados referentes ao segundo trimestre de 2015 (2T15).

A receita operacional líquida (ROL) atingiu R$ 2,3 bilhões no segundo trimestre de 2015 (2T15), com crescimento de 29,0% sobre o segundo trimestre de 2014 (2T14) e de 10,3% sobre o primeiro trimestre de 2015 (1T15). O crescimento ajustado pela eliminação do efeito da consolidação das transações ocorridas no período atingiu 22,3% sobre o 2T14.

Neste segundo trimestre foi observada a intensificação das mesmas tendências observadas no trimestre anterior. No mercado brasileiro, o crescimento no segmento de equipamentos para geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, principalmente nos sistemas de geração eólica, mais do que compensou a queda do investimento industrial em expansão de capacidade e do consumo. No mercado externo, a desvalorização de mais de 37% da moeda brasileira na comparação das cotações médias do 2T15 e do 2T14, potencializou a diversificação geográfica e a ampliação da linha de produtos, resultando em forte crescimento da ROL. “Esses resultados reafirmam uma das mais importantes características do nosso modelo de negócios, a capacidade de encontrar e explorar oportunidades de cres cimento mesmo em cenários macroeconômicos desfavoráveis”, conforme comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

No 2T15, o Ebitda atingiu R$ 352,1 milhões, com crescimento de 13,0% sobre o 2T14 e de 1,1% sobre o 1T15. A margem Ebitda foi de 15,0%, 2,1 pontos percentuais menor do que no 2T14 e 1,4 ponto percentual menor do que no 1T15. A perda de margem Ebitda foi menor do que a perda de  margem bruta em função do maior controle das despesas operacionais.

Neste trimestre, o resultado financeiro líquido foi positivo em R$ 53,5 milhões (R$ 32,3 milhões e R$ 41,7 milhões no 2T14 e 1T15, respectivamente). As receitas financeiras atingiram R$ 18,2 milhões no 2T15 (R$ 142,2 milhões e R$ 519,6 milhões, respectivamente), com diminuição do valor absoluto em relação ao 1T15 como resultado do impacto das variações cambiais.

O lucro líquido apurado no 2T15 foi de R$ 260,9 milhões, com crescimento de 14,4% sobre o 2T14 e de 6,1% em relação ao trimestre anterior. A margem líquida no  trimestre atingiu 11,1%, 1,4 ponto percentual abaixo da margem líquida no 2T14 e 0,4 pontos percentuais menor do que no trimestre anterior.

A geração de caixa das atividades operacionais foi positiva em  R$ 321,6 milhões no primeiro semestre de 2015, revertendo o consumo de caixa observado nos primeiros três meses de 2015. O impacto das variações cambiais sobre as contas de capital de giro (estoques, contas a pagar e a receber) permaneceu relevante, mas foi compensado pela maior geração operacional de caixa.

As atividades de investimento demandaram caixa no montante de R$ 229,5 milhões no primeiro semestre, também revertendo a posição observada ao final do primeiro trimestre com o efeito das variações cambiais sobre a conta ‘‘ajuste acumulado de conversão’’. O destaque continuou sendo os investimentos de expansão nas novas unidades na China e no México.

Finalmente, as atividades de financiamento geraram R$ 351,4 milhões no período, com R$ 1,.03 bilhão em financiamentos captados em condições de prazos e taxas de juros atraentes, e R$ 333,4 milhões em amortizações (captação líquida R$ 698,1 milhões), além do pagamento de juros sobre os empréstimos e de dividendos e juros sobre capital próprio referentes ao resultado do segundo semestre de 2014.

Investimentos

Neste primeiro semestre de 2015, o destaque foi a execução do  programa de investimentos em expansão e modernização de capacidade produtiva no exterior, que consumiram 41% dos R$ 202,5 milhões investidos nos primeiros seis meses do ano.

Os dois principais projetos são as novas unidades produtoras de motores elétricos no México, que já começou a operar, e na China, que deve iniciar produção no segundo semestre. Os investimentos nas unidades produtivas do Brasil estão sendo realizados com cuidado para ajustar a capacidade produtiva e a demanda efetiva.

O programa para 2015 prevê investimentos de R$ 477,6 milhões em expansão e modernização de capacidade, mas temos flexibilidade na execução modular destes investimentos, sempre em busca da maximização da utilização da capacidade produtiva e do retorno sobre o capital investido.

Ações

As ações ordinárias emitidas pela WEG, negociadas na BM&F Bovespa sob o código WEGE3, encerraram o último pregão de junho de 2015 cotadas a R$ 19,05, com alta nominal de 24,5% no ano e de 26,0% considerando-se os dividendos e juros sobre capital próprio declarados no período. Estes percentuais já estão ajustados pelo desdobramento das ações, aprovado em Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária realizada em 30 de março. As ações desdobradas à razão de duas ações para cada ação existente, passaram a negociar ex-desdobramento já a partir de 1º de abril.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia