Carga de energia no SIN sobe 1,6% em maio, diz ONS

Commodities contribuíram para o aumento na carga

Energia

O relatório do Operador Nacional do Sistema – ONS para a carga de energia referente ao mês de maio do Sistema Interligado Nacional- SIN teve alta de 1,6% em relação ao valor verificado no mesmo mês do ano anterior. Os dados foram apresentados nesta segunda-feira. Com relação ao mês de abril desse ano,  a variação foi negativa de 1,3%. No acumulado dos últimos 12 meses, o SIN apresentou uma variação positiva de 0,6% em relação ao mesmo período anterior.

Apresentam-se na tabela a seguir os dados de carga, assim como seus valores ajustados, visando a exclusão dos efeitos de fatores fortuitos e não econômicos sobre a carga, como o efeito calendário (diferença no número de dias úteis), variações de temperatura diferentes das esperadas e perdas na Rede Básica.

Depois dos  três primeiros meses do ano com taxas positivas e taxa negativa no mês de abril, a carga do SIN voltou a apresentar, em maio desse ano, taxa de variação positiva (1,6%) em relação ao mesmo período do ano anterior. Ressalta-se que o mês de maio/17 registrou maior número de dias úteis do que o mesmo mês do ano anterior e as temperaturas na região Sul foram superiores às de maio/16.

O resultado da carga ajustada corrobora as afirmações acima, indicando que os fatores fortuitos, não econômicos, contribuíram positivamente com 1,0% para a taxa de variação da carga em maio.

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) da FGV avançou 1,1 ponto em maio de 2017, para 92,3 pontos, maior nível desde abril de 2014 (97,0 pontos).

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) manteve-se constante em maio, em 74,7%, ficando ligeiramente acima do registrado em janeiro deste ano e sendo o maior nível deste indicador desde janeiro/16.

Conforme divulgado pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), o superávit da Balança Comercial em maio foi o maior superávit mensal já registrado. Na comparação com maio de 2016, o saldo positivo apresentou um crescimento de 19%.

No mês, em relação a maio de 2016, cresceram as exportações de semimanufaturados (+16,4%) e básicos (+11,6%), enquanto retrocederam as vendas de produtos manufaturados (-1,2%).

Entre os semimanufaturados, aumentaram as vendas de semimanufaturados de ferro e aço (+63,7%), açúcar em bruto (+46%), ferro fundido (+42,1%), celulose (+29%), madeira serrada (+22,5%) e couros e peles (+3,5%).

Nos básicos, cresceram as vendas de milho em grão (+922,3%), petróleo em bruto (+94,2%), minério de cobre (+62,5%), minério de ferro (+17,5%), café em grão (+17,2%) e soja em grão (+7,7%). Nos manufaturados, caíram as vendas de motores e geradores elétricos (-22,5%) e polímeros plásticos (-4,4%).

Por outro lado, cresceram as vendas principalmente de tratores (+91,4%), laminados planos (+68,3%), açúcar refinado (+53,1%), e automóveis de passageiros (+53%), entre outros.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia