Energia reduzida

Consumo de energia no mercado livre cai 9,54% em dezembro, diz Comerc

O Índice Setorial Comerc, estudo mensal que avalia os dados de consumo de energia elétrica das 540 unidades sob administração da empresa no mercado livre de energia, revela …

O Índice Setorial Comerc, estudo mensal que avalia os dados de consumo de energia elétrica das 540 unidades sob administração da empresa no mercado livre de energia, revela que, em dezembro de 2014, o consumo de energia no mercado livre caiu -9,54% em relação ao mês anterior. No comparativo anual, o consumo de energia registrou queda de -1,83% em relação a dezembro de 2013. Em geral, o mês de dezembro é um período de paradas programadas e férias coletivas, o que reflete em um menor consumo de energia na indústria. Isso explica a queda acentuada em relação a novembro (-9,54%). Já em relação ao mesmo mês de 2013, também houve queda de -1,83%, completando uma série de nove decréscimos do consumo de energia nos últimos dez meses de 2014, tendo como base o comparativo anual.

Nas unidades administradas pela Comerc no mercado livre ao longo de 2014, nas bases comparativas anual e mensal, o ano de 2014, como se percebe, foi marcado pelo decréscimo do consumo de energia no setor industrial, onde estão os principais clientes do mercado livre e os grandes consumidores de energia do país. Em relação a 2013, foram registradas, nos doze meses do ano, nove quedas do consumo de energia. Na base comparativa anual, o comportamento do consumo se caracterizou ao longo do ano por quedas bruscas do consumo de energia e crescimentos tímidos, inferiores a 1%.

Entre os fatores que explicam esta redução estão o desaquecimento da economia e a consequente desaceleração do parque fabril brasileiro, além do alto preço da energia, que elevou os custos de produção e, em alguns casos, tornou-se uma oportunidade de ganho para as empresas.

No comparativo mês a mês, as oscilações do consumo de energia são menores e há uma melhor distribuição entre quedas e acréscimos do consumo, o que, em muitos casos, se explica por fatores sazonais como o aumento do calor durante o verão, o número de dias úteis a cada mês, períodos de paradas programadas, sazonalidade produtiva de alguns setores, entre outros. Ainda assim, sete dos últimos dez meses registraram queda do consumo de energia em relação ao mês precedente, no comparativo mensal.

No comparativo setorial mensal, grande parte dos setores produtivos reduziu o seu consumo de energia, uma vez que, como já foi dito, dezembro é um mês de paradas e férias coletivas, portanto uma base fraca de consumo. O setor de Comércio e Varejo foi o que mais cresceu, 4,62%, em virtude da maior atividade comercial por causa das festas de fim de ano. Os setores Têxtil, Eletromecânica e Siderurgia puxaram as quedas do consumo de energia em -25,20%, -21,25% e -17,79%, respectivamente.

No comparativo anual, em que os fatores sazonais tendem a ser atenuados, o destaque negativo é novamente o setor de Siderurgia: em outubro de 2014, o consumo de energia no setor já havia caído -19,04% em relação ao mesmo período de 2013; em novembro, caiu -15,44%; e em dezembro, voltou a registrar queda de -18,48% no consumo de energia em relação ao mesmo período de 2013. Esses dados se alinham aos divulgados pelo Instituto Aço Brasil, segundo o qual a “produção acumulada em 2014 totalizou 33,9 milhões de toneladas de aço bruto e 24,8 milhões de toneladas de laminados, quedas de 0,7% e 5,5%, respectivamente, sobre o mesmo período de 2013”. Outro destaque é o setor de Comércio e Varejo.

Embora tenha registrado aumento do consumo de energia em relação a novembro (4,62%), no comparativo anual o setor apresentou uma queda de -2,52% em relação a dezembro de 2013. Novamente, esses dados estão em sintonia com o indicador do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), que registrou, em dezembro, a 1ª queda das vendas de Natal nos últimos cinco anos – o movimento de vendas a prazo entre os dias 18 e 24 de dezembro caiu 0,7% em relação a 2013.

Detalhamento do consumo de energia setorial

Na análise mensal, observa-se a retomada do setor de Comércio e Varejo, cujo consumo de energia cresceu pelo quinto mês consecutivo: 2,09% (agosto), 5,76% (setembro), 4,69% (outubro), 3,51% (novembro) e 4,62% (dezembro). O setor de Materiais da Construção Civil, por outro lado, apresenta viés de queda, com decréscimos consecutivos do consumo de energia em outubro (-1,09%), novembro (-4,59%) e dezembro (-4,33%).

No comparativo entre dezembro de 2014 e o mesmo mês de 2013 (anual), o setor de Veículos e Autopeças registrou, após oito quedas consecutivas do consumo de energia, uma elevação de 2,04% em dezembro, no comparativo anual. O setor de Têxtil, Couro e Vestuário, que teve, nos 11 primeiros meses do ano, apenas uma alta do consumo de energia – em setembro, com 1,53% -, também se recuperou e registrou, em dezembro de 2014, aumento de 1,74% em relação a dezembro de 2013. O setor mais crítico é o de Siderurgia e Metalurgia, com uma série de oito meses de queda consecutiva do consumo de energia. Interessante observar que o setor de Comércio e Varejo, embora em recuperação no comparativo mensal, ainda está longe dos patamares de consumo de energia de 2013. Nos dez últimos meses de 2014, registrou aumento do consumo de energia somente em setembro, com 0,60%, na base comparativa anual.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia