Eficiência energética e geração distribuída ganham ainda mais espaço

Discussões surgiram com propostas de eficiência a partir de novas lâmpadas até empreendimentos verde

Nova realidade

A economia verde como caminho para empresas operarem no azul e contribuírem para o meio ambiente foi tema do evento “Eficiência Energética e Geração Distribuída”, realizado nesta quarta-feira (23) pela FecomercioSP, por meio do Conselho de Sustentabilidade e em parceria com a R20 – Regions of Climate Action, fundação criada pelo ex-governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger.

A abertura do seminário contou com a participação do presidente do Conselho
de Sustentabilidade da FecomercioSP, José Goldemberg; o presidente do Conselho Consultivo do R20 Brasil e presidente da rede de lojas Riachuelo, Flávio Rocha; o secretário de Meio Ambiente do Estado de São Paulo, Ricardo Salles; o presidente da Agência de Desenvolvimento do Estado de São Paulo – Desenvolve SP; e o presidente da Associação Brasileira de Desenvolvimento
(ABDE), Milton Luiz Melo Santos.

“A eficiência energética e a geração distribuída estão se tornando cada vez mais importantes. Questões que eram discutidas por especialistas e, agora, estão chegando nos estabelecimentos comerciais. Ou seja, está virando uma prática. Essa é uma oportunidade especial porque marca uma transição da atividade puramente acadêmica para a conversão desses conhecimentos em
ação comercial, lucros e desenvolvimento para a sociedade”, disse Goldemberg.

Na sequência, o gerente do Programa Nacional de Conservação de Energia da Eletrobras (Procel), Marcel Costa, detalhou aos empresários como funciona o Procel Edifica, programa de certificação de produtos com eficiência energética. O órgão promove ações em diversos segmentos de medidas sustentável, que ajudam o País a economizar energia elétrica e que geram benefício para toda a
sociedade.

“A Procel tem várias áreas de atuação. Promovemos o uso eficiente de energia no setor de construção civil em edificações e também apoiamos prefeituras na iluminação pública e sinalização semafórica. Oferecemos treinamento e auxílio no planejamento e na implantação de projetos que visem ao menor consumo de energia, além de elaboração e disseminação de informação qualificada
sobre eficiência energética”, explicou Costa.

Já o diretor da Jordão Engenharia, Marcio Americo, expôs medidas de como diagnosticar a necessidade de eficiência e soluções simples para o varejo, e detalhou um amplo estudo das vantagens e desvantagens dos modelos de lâmpadas disponíveis no mercado. Ressaltou ainda que, para um modelo eficiente, há de considerar não apenas o custo de aquisição, mas também o de
operação.

A questão da eficiência na climatização foi abordada na palestra do vice- presidente de Eficiência Energética da Abrava, Tomaz Cleto, que fez um alerta para o aumento das vendas de aparelhos de ar condicionado no verão e deu dicas de como evitar o desperdício de energia elétrica. “Medidas simples como manter sempre limpos os filtros, deixar o aparelho em temperatura adequada, manter portas e janelas fechadas, além de desligar chillers, bombas e todo o sistema de ar quando não utilizado, ajudam a reduzir custos e, consequentemente, aumentar a lucratividade da empresa.”

A seguir, o diretor financeiro e de negócios da Desenvolve SP, Alvaro Sedlacek, trouxe opções de financiamentos para os empresários que desejam adotar medidas sustentáveis em suas empresas. Sedlacek contou que a instituição oferece um amplo leque de linhas de financiamento para ampliação, modernização, aumento da capacidade produtiva, implantação de novas plantas e relocalização de empreendimentos que tenham um bom projeto sobre questões voltadas à sustentabilidade. “Nós financiamos projetos de R$ 20 mil a R$ 30 milhões. Se o empresário tem um projeto eficaz, nós estamos aqui para dar esse suporte”, disse.

Um case de sucesso sobre a Loja Verde foi apresentado pelo gerente geral de Engenharia e  Arquitetura das lojas Riachuelo, Eduardo Trajano, que mostrou todas as ações que foram introduzidas na planta da loja localizada em Ipanema. Com 1.378 metros quadrados, a loja conta com sistema de reúso de águas pluviais, telhado verde, iluminação em LED e máxima eficiência
hídrica, além de estrutura metálica. “Durante a construção, todo o material utilizado foi reciclado. Os itens também foram adquiridos no comércio da região. A loja é fantástica e certamente contribui para a preservação do meio ambiente”.

O conselheiro e presidente do comitê de Sustentabilidade do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), Hugo Bethlem, abordou a eficiência energética como ferramenta de competitividade. Segundo ele, o consumidor está cada vez mais “empoderado” e, em contrapartida, os empresários
precisam saber em como atrair seus clientes. "Parte da resposta está na eficiência energética. Precisamos investir constantemente para não perder a competitividade e a lucratividade.”

 

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia