Mais de 551 MW foram adicionados ao sistema elétrico em junho

Temperaturas mínimas do mês variaram entre normal e acima do normal para a época do ano em praticamente todo o país

Níveis dos reservatórios

No mês de junho, entraram em operação comercial 551 MW de capacidade instalada de geração,  245,9 km de linhas de transmissão  e 1.770,0 MVA de transformação na Rede Básica, segundo dados do Boletim Mensal de Monitoramento do Setor Elétrico, divulgado nesta quarta-feira (28/7) pelo Ministério de Minas e Energia (MME).

O documento informa que em 2015, até junho, a expansão do sistema totaliza 3.015 MW de capacidade instalada de geração, 924,7 km de linhas de transmissão de Rede Básica e 9.000,0 MVA de transformação na Rede Básica.

No mês de junho de 2015, a capacidade instalada total de geração de energia elétrica do Brasil atingiu 137.394 MW. Em comparação com o mesmo mês em 2014, houve expansão de 3.088 MW de geração de fonte hidráulica, de 2.066 MW de fontes térmicas, e de 3.077 MW de geração eólica.

Geração elétrica

No mês de maio, a geração hidráulica correspondeu a 68,6% do total gerado no país. A participação de usinas térmicas na matriz de produção de energia elétrica, em termos globais, aumentou 0,4 ponto percentual com destaque para as variações de +1,8 p.p. da geração a biomassa e -0,7% p.p. de geração nuclear, esta em função da saída programada da UTE Angra I para troca de combustível, a partir do dia 07 de maio. Destaca-se que, conforme despacho ANEEL, a partir de maio/2015 o sistema Manaus passou a ser considerado plenamente interligado ao SIN.

Os fatores de capacidade médios da geração eólica das regiões Sul e Nordeste, no mês de maio de 2015, aumentaram 3,8 p.p. e 13,8 p.p. frente ao mês anterior, atingindo, respectivamente, 24,9%, e 36,0%. No acumulado dos últimos doze meses, com relação ao mesmo período anterior, houve redução de 1,4 p.p. no fator de capacidade na região Sul, enquanto que na região Nordeste o fator de capacidade das usinas aumentou cerca de 4,3 p.p.

Com relação ao mercado consumidor, no acumulado dos últimos doze meses (junho de 2014 a maio de 2015), o consumo total, considerando as perdas, cresceu 0,6% em relação ao mesmo período anterior. Por sua vez, este consumo, em termos anuais, apresentou retração de 2,6% entre maio de 2015 e o mesmo mês de 2014. Nesse período, houve expansão de 2,7% na quantidade de unidades consumidoras residenciais.

No mês de junho a passagem regular de frentes frias pela região Sul do País ocasionou valores significativos de precipitação nas bacias hidrográficas dessa região e anomalias positivas de precipitação na bacia do rio Jacuí.

No fechamento do mês, foram observados totais pluviométricos abaixo da média climatológica em grande parte das bacias hidrográficas de maior relevância para a geração de energia hidrelétrica no SIN, principalmente nas bacias dos rios Paranapanema, Tietê, Grande, Iguaçu e Uruguai.

As temperaturas mínimas do mês variaram entre normal e acima do normal para a época do ano em praticamente todo o país, atingindo desvios de até +4ºC. As temperaturas máximas do mês de maio estiveram em torno da média climatológica em grande parte do Brasil, com anomalias negativas de até -3ºC em algumas áreas.

As ENAs brutas verificadas em cada subsistema foram: 90 %MLT – 22.973 MW médios no Sudeste/Centro-Oeste (31º pior valor*), 138 %MLT – 13.701 MW médios no Sul (21º melhor valor*), 53 %MLT – 2.557 MW médios no Nordeste (2º pior valor*) e 96 %MLT – 5.259 MW médios no Norte-Interligado (40º melhor valor*).

Ressalta-se que, apesar de ter ocorrido ENA bruta de 138 %MLT no subsistema Sul, foi armazenável apenas 129 %MLT. No subsistema Norte, foi armazenável 94 %MLT dos 96 %MLT de ENA bruta.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia