PLD sobe 1% no Sudeste, Nordeste e Norte

Preço da segunda semana de setembro é fixado em R$ 125,12/MWh no Sul e R$ 142,64/MWh nos demais submercados

Divulgação

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE informa que o Preço de Liquidação das Diferenças – PLD para o período entre 3 e 9 de setembro subiu 1% nos submercados Sudeste/Centro-Oeste, Nordeste e Norte, passando de R$ 140,71/MWh para R$ 142,64/MWh. No Sul, o preço foi fixado em R$ 125,12/MWh, aumento de 2% em relação ao registrado na semana anterior.

Em setembro, a previsão de afluências para o Sistema subiu de 105% para 116% da Média de Longo Termo – MLT, ficando acima da média no Sudeste (121%) e no Sul (140%). As ENAs para o Nordeste e o Norte são esperadas em 37% e 48% da média, respectivamente. Porém, como esta elevação das afluências ocorre em bacias cujos níveis de armazenamento já estão altos, não há impacto na redução do preço.

A permanência de altas afluências no Sul eleva o envio de energia para o Sudeste, fazendo com que o limite de intercâmbio seja atingido e o preço deste submercado fique diferente dos demais. Já os limites de intercâmbio entre Sudeste/Nordeste/Norte não são atingidos e seus preços ficam equalizados.

Os níveis dos reservatórios do Sistema ficaram aproximadamente 400 MWmédios acima do previsto com elevação no Sudeste (+600 MWmédios) e no Norte (+20 MWmédios). Houve queda no volume de energia no Sul (-200 MWmédios), enquanto os níveis do Nordeste permanecem estáveis.

A carga prevista para o SIN na segunda semana de setembro está aproximadamente 200 MWmédios mais baixa em relação ao previsto na semana passada, redução observada apenas no Nordeste.

A análise aponta ainda que a disponibilidade térmica da região Norte sofreu uma redução em torno de 900 MWmédios provocada pela manutenção em unidades geradoras locais.

O fator de ajuste do MRE esperado para setembro é de 88,8%. Os Encargos de Serviços do Sistema – ESS, por sua vez, são previstos em R$ 91 milhões para o mês, sendo R$ 43 milhões referentes à segurança energética.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia