Retração do consumo de energia em abril com clima mais frio

Vale ressaltar que, na comparação com o ano passado, apenas três categorias tiveram alta no consumo de energia em abril

Divulgação: Comerc

Os segmentos de Materiais de Construção (-13,58%) e Comércio e Varejo (-12,35%) influenciaram fortemente a queda do Índice Comerc Energia de abril, cujo consolidado de doze categorias registrou um decréscimo de 3,83% em comparação com abril de 2016.

O setor de Material de Construção (-18,45%) liderou a queda de 6,75% no Índice consolidado de abril, quando o período é comparado com março de 2017. Nas duas comparações, a queda na demanda do insumo foi generalizada, abrangendo, respectivamente, nove e dez categorias monitoradas pelo Índice Comerc Energia.

“Nem sempre a variação do consumo de energia tem a ver com o dinamismo da economia”, afirma Cristopher Vlavianos, presidente da Comerc Energia. “Apesar de o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IC-Br) ter registrado no primeiro trimestre um aumento de 1,12% sobre o último trimestre de 2016, nesse momento, o consumo tem muito a ver com a temperatura no país, principalmente no Sudeste”, ressalta ele.

Consumo de energia é menor no frio

O executivo explica que, em parte, a retração na demanda por eletricidade pode ser explicada pela queda da temperatura média no País, dos 25,5 graus em março, para os 22,5 graus em abril. Em relação a 2016, abril também esteve mais frio, em média, 2,5 graus centrígrados, segundo os dados da NOAA (departamento norte-americano de climatologia).

“O clima impacta diretamente o consumo de energia de segmentos como Comércio e Varejo, pois não se requer tanto uso do ar condicionado nas lojas”, argumenta o executivo. “Além disso, não há a necessidade de tanta refrigeração para a conservação de perecíveis quando as temperaturas estão mais baixas. Nesse caso, o setor de Alimentos também consome menos eletricidade”, acrescenta Vlavianos.

Vale ressaltar que, na comparação com o ano passado, apenas três categorias tiveram alta no consumo de energia em abril. Higiene e Limpeza consumiu 5,68% a mais, o setor de Siderurgia e Metalúrgica 3,92%, e Embalagens 0,26%. A tendência é parecida na comparação de abril com março de 2017, que revela aumento no consumo de apenas dois setores.

Materiais de Construção

Vlavianos chama a atenção para a série histórica de 12 meses do setor de Materiais de Construção. O setor registra onze meses de sucessivas quedas no consumo de energia e apenas um mês (setembro de 2016) de crescimento (2,29%). Ele ressalta que, em abril de 2016, o setor havia já reduzido o consumo de eletricidade em 21,15% sobre o mesmo período do ano anterior. E, agora, em abril deste ano, retraiu seu consumo outros 13,58%.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia