ARTIGO: Sustentabilidade e Boas Práticas na Irrigação Agrícola

*Por Everardo Mantovani

Everaldo Mantonovani

Diante do cenário atual, em que passamos sérios problemas de distribuição das chuvas e abastecimento de água, que preocupam toda a sociedade e que têm trazido grande prejuízo a inúmeras regiões do país, um ponto importante a ser considerado é que a demanda de alimentos no mundo não para de crescer.

Estudos divulgados pela da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) estimam uma população de cerca de nove bilhões de habitantes para 2050 e uma necessidade de expandir a produção de alimentos entre 60% e 70%, sendo que 90% desse valor deverão vir do aumento de produtividade e apenas 10% do aumento da área plantada.

Nesse contexto, existe o consenso de que a expansão da agricultura irrigada brasileira e mundial é a base para que estas demandas sejam atendidas. Assim, o trabalho dos profissionais dedicados ao agronegócio no Brasil atinge uma dimensão maior, onde a comprovação de que é possível uma agricultura irrigada sustentável é fundamental.

É importante lembrar que a produção de alimentos exige água, seja na agricultura de sequeiro, seja na irrigada, e isso faz parte da natureza em que vivemos. Costumo fazer uma comparação: os humanos adultos dependem do sono para sobreviver, assim, seria um absurdo criticar uma pessoa por passar 1/4 ou 1/3 da vida dormindo considerando o normal de 6 a 8 h/dia de sono. O tempo normal que uma pessoa passa dormindo não é um desperdício ou falta de compromisso, e sim uma demanda fisiológica e emocional que permite que ela tenha uma vida saudável.

Fazendo um paralelo entre a necessidade de sono e a de alimentos, podemos concluir que o uso da água dentro de limites adequados na agricultura irrigada é condição de sobrevivência, e não um luxo. Isso porque sem a agricultura irrigada não há como atender às demandas atuais e futuras de produção de alimentos, fibras e agroenergia.

Para dar uma ideia desta dimensão, a agricultura irrigada mundial ocupa cerca de 17% da área plantada e gera entre 40 e 50% da produção mundial. Dentro de certos limites específicos para cada região e época do ano, existe uma lâmina ou volume de água adequados sem os quais a produção de alimentos, fibras e bioenergia ficaria comprometida, assim como a sobrevivência de todos nós. Essa quantidade, que conseguimos estimar de maneira segura, é parte essencial do sistema de produção e não faz parte de nenhuma forma de uso indevido, o que muitas vezes não é compreendido pela sociedade e pelos meios de comunicação.

Ela possibilita produções adequadas, e seu uso é tão legítimo e importante quanto as 6 ou 8 horas de sono diário. Em 30 anos de trabalho, o foco tem sido pesquisar, entender a dinâmica, gerar e aplicar tecnologias que possibilitem o uso eficiente da água na agricultura irrigada. Muito mais que uma estratégia básica de ensino, pesquisa e extensão, os trabalhos desenvolvidos complementam-se, promovendo soluções para grandes, médios e pequenos produtores irrigantes, que permitam a continuidade da produção de alimentos em níveis aceitáveis de uso de água, energia, mão de obra e outros insumos.

Todos os que trabalhamos com este foco estamos envolvidos com um dos pontos essenciais do momento atual, que é a produção de alimentos de forma sustentável. A água usada eficientemente para produzir é uma demanda legítima e fundamental.

O problema é o uso excessivo e desordenado, que não interessa a ninguém, muito menos ao produtor irrigante.

Analisando os ganhos específicos de economia de água do trabalho de gestão de algumas empresas nacionais, conclui-se que são muito significativos e importantes, mas existem outros benefícios que merecem ser considerados. São eles: aumento da produtividade, uso eficiente da energia, eliminação ou diminuição das contaminações das águas superficiais e subterrâneas, melhoria das condições de fitossanidade das culturas e dos tratamentos, comprovação em grande escala de que é possível produzir alimentos de forma sustentável, exposição dos sistemas e componentes de irrigação mais eficientes, promoção de uma comparação regional de uso de água e produtividade, entre tantas de caráter social que vamos tratar em próximos artigos.

Assim, acredito que possamos falar sobre a água de cabeça erguida, e renovar nossas energias, podendo continuar nosso trabalho em prol de uma agricultura irrigada eficiente na produção sustentável de alimentos, fibras e agroenergia.

*O Professor Everardo Mantonovani é sócio-fundador e consultor da Irriger, gerenciamento e engenharia de irrigação. Possui graduação e mestrado em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Viçosa (1981 e 1986) e doutorado em Agronomia – Manejo da Irrigação – Universidad de Córdoba-Espanha (1993).

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia