Avanços propostos pelo Gás Para Crescer ajudarão desenvolvimento do país

Agentes do setor já apresentaram propostas no sentido de criar um ente responsável pela operação da malha de gasodutos

Uso do gás

O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, defendeu que os avanços regulatórios que estão em estudo e serão propostos através do programa “Gás Para Crescer” trarão benefícios diretos para a sociedade, auxiliando o Brasil na retomada do crescimento econômico. Pedrosa participou de audiência pública no Senado Federal nesta quarta-feira (17).

“A correlação do desenvolvimento do mercado de gás com o desenvolvimento do país é enorme e esse é um dos focos de atuação do ministério”, defendeu Pedrosa. Segundo ele, o Gás Para Crescer vai contemplar propostas concretas no setor de óleo e gás, beneficiando toda a sociedade, de forma que a participação e contribuição do Congresso Nacional no debate serão muito importantes.

O diálogo com os parlamentares e com os agentes do setor, ressaltou o secretario-executivo, tem sido uma das linhas de atuação do Ministério, permitindo uma agenda de convergência. “Não vamos surpreender o mercado com soluções criativas feitas dentro da estrutura do governo, sem ouvir os agentes”, disse.

Na avaliação de Pedrosa, existem grandes desafios para o setor de gás natural. Um deles seria a harmonização entre as regulações estaduais e federais, necessária para que o país possa ter um grande mercado de gás. Além disso, uma maior interação dos segmentos de gás natural e energia elétrica poderia trazer mais eficiência ao país. “Muitas vezes esses dois setores conversam pouco”, avaliou.

Agentes do setor já apresentaram propostas no sentido de criar um ente responsável pela operação da malha de gasodutos. Pedrosa citou o tema durante sua apresentação e disse que é uma discussão necessária para o Brasil. “Alguns países têm esse modelo, outros não, mas é uma discussão que precisamos realizar no país. Precisamos ter uma malha que sirva ao desenvolvimento do mercado de gás e garanta o livre acesso”, analisou.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia