Produção de etanol cresce pelo 3º ano consecutivo e bate recorde, análise da EPE

Produção de energia por biomassa sobe 17% no país

Braskem e o plástico

Apesar da forte seca no início do ano passado, a produção de etanol cresceu 4% em 2014, ultrapassando o recorde histórico de 2010 (27,9 bilhões de litros) ao atingir 28,6 bilhões de litros, informa estudo divulgado hoje (28) pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Essa foi a terceira alta consecutiva na produção do biocombustível no país.

Os principais motivos para essa expansão foram: o baixo preço internacional do açúcar, que levou o produtor a direcionar a maior parte da produção de cana para a fabricação de etanol; a liberação de recursos públicos para o setor sucroenergético; e as expectativas de aumento do percentual de etanol anidro na gasolina C  (de 25% para 27%) e do retorno da tributação sobre a gasolina.

A queda do preço do açúcar foi de certa forma compensada com o aumento da venda de energia elétrica. As usinas termelétricas que utilizam o  bagaço da cana de açúcar registraram no ano passado um incremento de 17% em relação ao ano anterior na entrega de energia ao Sistema Interligado Nacional (SIN).

Em relação ao biodiesel, o documento mostra que houve crescimento do consumo em 2014, devido ao aumento na demanda do óleo diesel convencional e à mudança do percentual da mistura na gasolina, de 5% para 6% (1º de julho 2014) e posteriormente para 7% (1º novembro 2014).

O estudo traz ainda um texto que analisa a oportunidade de complementariedade das usinas hidrelétricas com as termelétricas a biomassa do setor sucroenergético, pela possibilidade de geração sazonal. A safra da cana ocorre justamente no período seco do ano (entre abril e novembro), época desfavorável para as hidrelétricas. Além disso, o estudo aponta que a integração dos ativos, fabricação de etanol e açúcar e geração de energia poderá crescer no médio prazo.

A sexta edição da Análise de Conjuntura dos Biocombustíveis da Empresa de Pesquisa Energética está e anexo e também disponível no site da EPE.

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia