Aviões bombardeiam campos de petróleo do EI no Iraque e na Síria

Ainda não há informação de danos ou vítimas nos ataques

WTI em baixa

Aviões de guerra, grande parte deles da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, atacaram nesta quinta-feira vários campos de petróleo controlados pelo grupo terrorista Estado Islâmico na Síria e no Iraque.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos destacou que aeronaves de origem desconhecida bombardearam hoje seis jazidas de petróleo no sul e no leste da província síria de Deir ez Zor, na fronteira com o Iraque, e quase totalmente dominada pelos jihadistas. Ainda não há informação de danos ou vítimas nos ataques.

O responsável de segurança da União Nacional do Curdistão, Guiaz al Suryi, disse à Agência Efe que aviões da coalizão internacional destruíram quatro caminhões-pipa carregados de petróleo que se dirigiam à cidade de Al Raqqa, a capital do EI na Síria.

Segundo Al Suryi, os veículos foram atingidos na região de Al Baach, cerca de 120 quilômetros ao oeste de Mossul, reduto mais importante dos radicais no território iraquiano.

Por outro lado, o Observatório Sírio de Direitos Humanos afirmou que o EI determinou o fechamento das escolas na cidade de Al Mayadin e outras áreas do leste da província de Deir ez Zor “até segunda ordem”, por temer novos bombardeios.

Ontem, o chefe do Estado-Maior do Exército da Rússia, Andrei Kartapolov, anunciou que os aviões do país concentraram seus bombardeios no território sírio nas colunas com caminhões-pipas que fornecem petróleo ao EI entre a Síria e o Iraque.

No domingo, a Força Aérea dos Estados Unidos atacou pela primeira vez veículos usados pelos radicais para o transporte do produto perto da cidade síria de Al Bukamal, também na fronteira com o Iraque, destruindo 116 caminhões-pipa.

Os bombardeios contra o EI se intensificaram na Síria depois dos atentados da última sexta-feira em Paris, ataque reivindicado pela organização jihadista que causou a morte de 129 pessoas.

Com Ag.EFE

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia