Barril do Texas fecha em alta de 6,25%

Ao final da sessão na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos futuros do WTI para entrega em outubro subiram US$ 2,66 em relação ao fechamento de ontem

Empresas e as falências

O barril do Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) fechou nesta sexta-feira em alta de 6,25%, para US$ 45,22, uma nova e destacável alta nos preços que significou a primeira semana de lucro em dois meses.

Ao final da sessão na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos futuros do WTI para entrega em outubro subiram US$ 2,66 em relação ao fechamento de ontem.

Em termos semanais, a alta em relação à sexta-feira anterior, quando o barril era cotado a US$ 40,45, foi de US$ 4,77 dólares, ou 11,8%.

Depois dos lucros superiores a 10% de ontem, que recolocaram o petróleo americano a preços acima dos US$ 40, os operadores hoje seguiram animados graças a duas notícias.

Por um lado, parece que a Nigéria pode deter sua exportação, o que aliviaria a crise de excesso de oferta vivida em nível internacional. Por outro, a Venezuela expressou a intenção de conversar com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) para avaliar medidas contra a queda dos preços.

Essas notícias chegam em uma semana em que na terça-feira o petróleo chegou a atingir um preço mínimo no fechamento de US$ 38,24 o barril, em meio a preocupações internacionais pelo desempenho da economia chinesa.

O Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) tinha começado o ano com um preço de US$ 53,27 o barril e chegou a ser cotado há mais de um ano com uma máxima superior a US$ 107.

Por sua vez, os contratos de gasolina para entrega em setembro, ainda os de mais próximo vencimento, subiram US$ 0,06, para US$ 1,52 o galão, e os de gasóleo para calefação subiram US$ 0,08, para US$ 1,58.

Já os contratos de gás natural com vencimento em setembro, que também são os de referência, subiram US$ 0,07, para US$ 2,71 por cada mil pés cúbicos.

Com Ag.EFE

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia