Barril do Texas fecha em baixa de 3,07%

Irã informou que sua produção pode aumentar entre 500 mil e um milhão de barris ao dia depois do fim das sanções

O Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) fechou nesta quarta-feira em baixa de 3,07%, aos US$ 51,41 o barril, reflexo das expectativas de um aumento da oferta mundial com o levantamento de sanções ao Irã e pelas altas reservas nos Estados Unidos.

Ao final da sessão na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos futuros para entrega em agosto perderam US$ 1,63 em relação ao fechamento de ontem.

Na terça-feira, o mercado reagiu com baixas às primeiras notícias sobre o acordo nuclear com o Irã, mas ao longo do dia o preço se recuperou e terminou com alta de mais de 1,6%.

O acordo com o Irã acarretará o levantamento de sanções econômicas internacionais, o que permitirá ao país persa aumentar sua produção de petróleo e colocá-lo no mercado, aumentando uma oferta que já está elevada.

Mas esse processo levará tempo e a maioria dos analistas espera que essas exportações iranianas só cheguem ao mercado no início do ano que vem.

O Irã informou que sua produção pode aumentar entre 500 mil e um milhão de barris ao dia depois do fim das sanções. A atual produção iraniana é de 2,8 milhões de barris diários.

Já analistas do Goldman Sachs estimam que o Irã poderia aumentar sua oferta ano que vem entre 200 mil e 400 mil barris diários, aos que se somariam vários milhões armazenados.

O preço do Texas também foi influenciado hoje pelos dados sobre as reservas de petróleo em EUA, que diminuíram na semana passada em 4,3 milhões de barris, mas que se mantêm no nível mais alto para esta época do ano em oito décadas.

Os contratos de gasolina para entrega em agosto perderam US$ 0,07, até US$ 1,86 o galão, e os de gasóleo para calefação baixaram US$ 0,06, para US$ 1,67.

Já os contratos de gás natural para entrega em agosto perderam US$ 0,08 e encerraram o dia cotados a US$ 2,92 para cada mil pés cúbicos.
Com Ag EFE

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia