Ilhas Marshall são o primeiro país a ratificar o Acordo de Kigali sobre os HFC

A emenda de Kigali ao Protocolo de Montreal abre o caminho para que a produção e o consumo de hidrocarbonetos (HFC) sejam cortados em mais de 80% nos próximos 30 anos

Divulgação - Itaipu

O Nitijela (parlamento) da República das Ilhas Marshall deu sua aprovação para que a pequena nação insular se tornasse o primeiro país do mundo a ratificar a Emenda de Kigali ao Protocolo de Montreal. A ratificação ocorre quatro meses depois que as Ilhas Marshall trabalharam com os Estados Federados da Micronésia por meio da Coalizão de Alta Ambição, que reúne mais de 30 países, para assegurar a aprovação desta emenda histórica. No ano passado, as Ilhas Marshall foram também o primeiro país a depositar o seu instrumento de ratificação ao Acordo de Paris durante uma cerimônia de assinatura realizada pelo Secretário-Geral da ONU.

A emenda de Kigali ao Protocolo de Montreal abre o caminho para que a produção e o consumo de hidrocarbonetos (HFC) sejam cortados em mais de 80% nos próximos 30 anos. A ciência sugere que isso ajudará a evitar a emissão de até 80 bilhões de milhões de toneladas de dióxido de carbono até 2050, o que favorecerá grandemente a meta do Acordo de Paris de manter o aumento médio da temperatura do planeta em 1,5° C.

Após a aprovação pela Nitijela da Emenda de Kigali, a Presidente Hilda Heine disse: “Meu país não sobreviverá sem uma ação urgente para reduzir as emissões de todos os países e setores da economia, incluindo os HFCs. Nossa rápida ratificação da Emenda de Kigali é mais uma demonstração de nosso compromisso com o Acordo de Paris. Agora precisamos que outros façam o mesmo a fim de ajudar a manter o aumento da temperatura global dentro do limite de 1,5° C. Este acordo é bom para o nosso povo, para o planeta e os lucros daqueles que seguem nossos passos.” O Ministro dos Negócios Estrangeiros, John Silk, acrescentou: “Estou instruindo nossa missão na ONU em Nova York para fazer os preparativos para o depósito do instrumento de ratificação desta alteração o mais rapidamente possível.”

0 acharam esta informação útil

0 não acharam esta informação útil

Assuntos desta notícia